quinta-feira, 30 de maio de 2024

GUIOMAR NOVAES. TRÊS MO(VI)MENTOS

1
Monteiro Lobato (1882 – 1948) era vizinho do pianista Luigi Chiaffarelli (1856 – 1923), um italiano radicado em São Paulo. Dentre os alunos do professor de piano Luigi, o escritor paulista teve a oportunidade de conhecer a talentosa menina Guiomar Novaes (1895 –1979), em quem ele se inspirou para criar a personagem Narizinho, do Sítio do Pica-Pau Amarelo. Na vida real, Guiomar seguiu a carreira de pianista de renome internacional.
2
Em 1972, Guiomar Novaes foi convidada para a comemoração dos 50 anos da Semana de Arte Moderna, no Teatro Municipal de São Paulo, onde tocaria o mesmo repertório da sua apresentação em 1922 - com exceção da "Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro", de Louis Morreau Gottschalk, por ser uma obra mal vista pela ditadura militar. A pianista compareceu no evento, subiu ao palco e tocou apenas a obra em questão, deixando o teatro sob intensos aplausos.
3
A abonação de déu em déu aparece no diálogo da crônica resultante de uma visita que o escritor paulista Monteiro Lobato fez à pianista paulista Guiomar Novais:
— E deu muitos concertos?
— Só em Paris toquei nuns trinta, em Londres nuns oito, em Berlim noutros tantos, em Lausanne não sei em quantos. Andei de déu em déu.
Persiste a hipótese de que déu seja variante de deu, do verbo dar, com o sentido de viajar, chegar, ir:
"Tomando tal caminho, deu ou bateu com os costados em tal lugar".

terça-feira, 30 de abril de 2024

PIRATAS

Por que os piratas usavam o tapa-olho?
O fato de que alguns piratas usavam o tapa-olho provavelmente não tinha nada a ver com a falta de um olho. Aliás, tinha tudo a ver com a possibilidade de ver melhor - especificamente, tanto acima quanto abaixo do convés.
Os piratas frequentemente precisavam transitar da parte descoberta do navio para compartimentos fechados, isto é, da luz do dia à situação de quase escuridão. Por isso, os mais espertos usavam um tapa-olho a fim de ter a qualquer tempo um dos olhos adaptados ao escuro.
Ao passar para uma área pouco iluminada do navio, o pirata mudava a posição do tapa-olho e, assim, conseguia ver em torno mais rapidamente com o olho que se adaptara à escuridão.
Jim Sheedy, doutor em ciência da visão, disse ao Wall Street Journal que, enquanto o olho se adapta rapidamente ao passar das trevas à luz, estudos têm mostrado que pode levar até 25 minutos para se adaptar da luz para a escuridão, porque esta última requer a regeneração dos fotopigmentos da retina.
P.S.
Ao oftalmologista Nelson Cunha para revisar a nota acima. Caso esteja OK, então enviar alguma colaboração sobre o assunto seguinte: por que os piratas usavam perna de pau? Escrito de uma forma que não acirre os ânimos da tradicional família mineira.
Paulo Gurgel
Meu caro Paulo,
Há inconsistências na hipótese de que, entre os piratas, houvesse um órgão funcional por debaixo do tapa-olho destinado a enxergar na penumbra dos porões. Quando o olho descoberto é iluminado, sua pupila diminui para regular a quantidade de luz entrante e, assim, evitar o ofuscamento. Este movimento pupilar que chamamos pedantemente de reflexo fotomotor CONSENSUAL acontece também no olho coberto porque compartilha as mesmas fibras nervosas. Ora, uma vez dentro do porão, o pirata ao remover a venda terá a pupila do olho tapado igualmente pequena, obrigando-o a despender alguns segundos para que ela se dilate e abasteça a retina com a luz necessária. Essa é uma objeção teórica baseada na fisiologia ocular. Pode ser que, na prática, a oclusão do olho obtenha alguma vantagem na adaptação rápida ao lusco-fusco.
Por que os piratas usavam a perna de pau?
Como estamos no campo da especulação humorística, ouso aventar a hipótese de que a perna de pau do pirata servia para melhorar a flutuação ou ainda como um engodo a ser oferecido aos tubarões.
Falando seriamente. A figura de um pirata com tapa-olho, perna de pau, dente de ouro e um papagaio pousado no ombro, é uma construção de Hollywood. Os piratas reais deveriam se parecer com marinheiros comuns, o que não quer dizer que um ou outro perneta pudesse estar entre eles.
Nelson J. Cunha
N. do E.
Ao oftalmologista Nelson Cunha devemos também a revelação de O segredo do tapa-sexo, uma de nossas postagens mais procuradas (não obstante o pouco apelo existente no título).
O pirata padrão
Isso não é mito. Houve piratas que realmente criaram papagaios. Como o famoso corsário inglês Edward Teach, vulgo Barba-Negra. Em suas muitas viagens pelo Caribe e pela América do Sul, Barba- Negra entrou em contato com esses pássaros e resolveu criá-los a bordo.
Longas viagens provavelmente seiam mais agradáveis na companhia de um colorido e falante pássaro de estimação.
No entanto, a noção de piratas com um papagaio nos ombros mais provavelmente se originou da representação de Long John Silver, um personagem fictício do romance "Treasure Island" (Ilha do Tesouro), de Robert Louis Stevenson, publicado em 1883. Nesse livro, Long John Silver tem um papagaio de estimação chamado Capitão Flint, consistentemente pousado em seu ombro.
Essa representação inaugurou a associação entre piratas e papagaios na imaginação popular.
E, para completar a imagem do pirata padrão, Hollywood fez o resto. Incluindo o tapa-olho, a perna de pau e, num caso bem específico, o gancho.
Paulo Gurgel
TV Pirata
"Meu papagaio obeso morreu esta manhã. Embora eu esteja muito triste, ele foi um peso enorme que tirei dos ombros."

sábado, 30 de março de 2024

DA SÉRIE "ENTRA NO BAR..."

Um táquion entra no bar:
O garçom lhe diz:
"Desculpe-me. Mas aqui não servimos a partículas mais rápidas do que a luz."
Se precisa ser explicada não é uma boa piada. Mas... o táquion é uma hipotética partícula subatômica que, se provada a existência, viaja com uma velocidade superior à da luz. Tem estranhas propriedades. Quando perde energia ganha velocidade e vice-versa. A velocidade lenta para o táquion é a da luz, e o garçom não quer correr atrás de um provável prejuízo.
Em tempo:
"A razão para nada viajar mais rápido do que a luz é para você não encontrar tudo escuro quando chegar lá." - Anônimo

Um romano entra no bar, ergue dois dedos e diz:

Um pato entra no bar e pergunta:
"Tem uvas?"
"Não."
"Tem uvas?"
"Não."
"Tem uvas?"
"Não."
"Tem uvas?"
"Não, e se você me perguntar isso de novo, eu vou pregar seu maldito bico no balcão."
"Tem pregos?"
"Não."
"Ótimo. Tem uvas?"
Bobinha, né? Mas piada de pato é assim mesmo (nem com música presta). Deem-me uma nova chance com outro protagonista.

Um cavalo entra no bar e pede uma cerveja.
O garçom fica em estado de choque: um cavalo de verdade entrou em seu bar, sentou-se ao balcão como uma pessoa, e pediu uma cerveja - em português perfeito!
Ele avisa para o cavalo:
- Sinto muito, senhor, mas eu tenho que falar primeiro com meu gerente.
Então, o garçom vai aos fundos do bar e explica a situação ao gerente. O gerente pensa por um momento e diz :
- Bem, isto é um bar, então vá em frente e sirva-lhe a cerveja. Mas, considerando que ele é um cavalo, ele provavelmente não tem ideia do preço de uma cerveja, então aproveite para cobrá-la a 20 reais.
O garçom volta ao balcão com a cerveja. Lentamente, coloca a cerveja no copo trazido para o cavalo e deixa a conta sobre o balcão.
O cavalo bebe a cerveja, paga a conta e está prestes a sair.
O garçom ainda está confuso com a presença do cavalo no bar. Mas ele não quer correr o risco de ofendê-lo, fazendo perguntas erradas. Assim, ele opta apenas por dar uma deixa.
- Você sabe, nós realmente não atendemos muitos cavalos por aqui...
O cavalo responde:
- Não devia estranhar. Com vocês vendendo cerveja quente, a este preço...

Um homem entra no bar e pede um copo d'água.
O dono do bar aponta uma arma de fogo de grosso calibre para o homem.
Ele agradece e sai.
O que de fato aconteceu?
O homem estava com soluços e queria um copo d'água para debelar a crise. Mas o dono do bar sabia que um bom susto é ainda melhor.

Um pirata entra no bar, e o garçom diz:
"Ei, eu não vejo você há muito tempo. O que aconteceu? Você parece horrível."
"O que você quis dizer com isso?", diz o pirata. "Eu me sinto muito bem."
"É a perna de madeira? Você não usava isto antes."
"Bem", disse o pirata. "Estávamos em uma batalha, e eu fui atingido por uma bala de canhão, mas eu estou bem agora."
O garçom prossegue: "OK, mas... e este gancho? O que aconteceu com a sua mão?
O pirata explica: "Estávamos em outra batalha. Eu abordei um navio para participar de uma luta de espadas. Minha mão foi cortada. Depois disso, coloquei este gancho, mas eu estou bem, realmente..."
"E quanto a este tapa-olho?"
"Oh!" - disse o pirata. - "Um dia estávamos no mar, e um bando de pássaros passou voando. Eu olhei para cima, e um deles fez cocô em meu olho."
"Você está brincando", disse o garçom. "Você não poderia perder um olho apenas com a merda de um pássaro."
"Bem, era meu primeiro dia com o gancho."

Uma piada de bar (bar joke) é um tipo muito comum de piada. A sintaxe básica é a seguinte: "Um homem entra em um bar e ... [algo acontece aqui]". A percepção inicial da piada é que um homem está entrando em um bar para tomar um drinque, mas isso dura apenas alguns segundos, o tempo em que a frase final é rapidamente dita. É uma forma de piada que já ganhou uma grande quantidade de variantes ao longo dos anos.
Exemplo:
Um padre, um castor e um rabino entram no bar. O garçom pergunta ao castor "o que vai querer?". O castor responde: "Nada. Eu estou aqui só por causa da Autocorreção."
Essa forma de fazer piada ficou tão conhecida que é objeto de pelo menos uma piada sobre a popularidade da própria piada: 

Um padre, um castor e um rabino entram em um bar. O garçom olha para eles e diz: "O que é isso, uma piada?'"

Um vegano, um praticante de crossfit, um adepto do Linux e um proprietário de um computador de baixo custo (*) entram no bar.
É tudo a mesma pessoa.
Apenas uma pessoa entrou no bar.
Oh, Deus, por que ele não vai se calar.
(*) Na versão original é citado o Raspberry Pi (do qual dizem ser o dispositivo recomendado ao aspirante a hacker).

Um gato entra no bar e pede um copo d'água.
O garçom pergunta:
"Você vai beber ou apenas derrubá-lo de propósito?"

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

PEQUENO GUIA PARA ENTENDER O ESCRITOR

Ele pariu com dor (por intermédio de Elba, sua bastante procuradora) dois filhos: Érico e Natália. E tem dado ao lume, sem a participação conjugal, uma pequena galeria de personagens fictícios.
A começar pelo trio Gurgelzim, Heteróclito e Jorge. Não é um segredo trancado a sete chaves: eles não interagem, estão sempre em histórias exclusivas; mas adotam padrões de comportamento que fazem suspeitar de que os três sejam um só personagem.
Se assim achou, está certo o leitor. Eles nunca foram lidos juntos.
Gurgelzim, Heteróclito e Jorge seriam também o próprio escritor, quando este quer tirar o foco de si mesmo?
Bem, fica difícil negar essa possibilidade diante do nome com que foi batizado o primeiro.
Gurgelzim surgiu nos tempos do "Informativo a Ferragista". Apareceu em A RUA GURGELZIM, com a ideia fixa de virar nome de rua em Fortaleza. SOL, PRAIA E... AÇÃO (na figura abaixo), GURGELZIM E A ARTE DO DESENCONTRO, GURGELZIM E O COMETA HALLEY e GURGELZIM DA VIOLA foram as histórias seguintes em que ele foi o protagonista.
Heteróclito (Clitinho) foi o nome com que o primus inter pares ressurgiu em dois contos - HETERÓCLITO, SUAS CASAS DE PASTO e HETERÓCLITO, SEUS INIMIGOS - publicados em "MultiContos", uma antologia de contos premiados pelo BNB Clube.
Finalmente, reapareceu como Jorge George Bizarria. Em O LAR SINGULAR DE JORGE GEORGE, que foi publicado (sob outro título) num breve retorno do "Informativo A Ferragista" (1986), e, em JORGE, UM CEARENSE, uma "entrevista" que ele concedeu ao livro "Outras Criações" (1992). Já JORGE GEORGE EM RITMO DE DESVENTURA, em duas partes, e A FESTA DOS SÓSIAS são  conclusões de antigos rascunhos. Estão apenas aqui no Preblog.
O trio tem uma relação absolutamente "desligada" com o mundo e , por isso, torna-se agente e paciente das maiores desventuras. 
E segue o fio: 
O Dr. Carta Pácio, que se dedica a enviar cartas comerciais com mirabolantes propostas, regra geral alicerçadas em argumentações pseudocientíficas; o Antonomásio, de curtas aparições, quando o texto está a exigir a presença de alguém de posições firmes, sem papas na língua, que não leva desaforos para a casa, e que, por ter sido batizado com água quente, reúne esses predicados todos; o Professor Kyw, um mestre do vernáculo que defende às últimas consequências o alfabeto pátrio extirpado das letras alienígenas; e o Dr. Asdrúbal, um médico colecionador de casos insólitos na profissão e solidário com as desgraças alheias, mesmo que isto signifique revelar que já passou por elas com galhardia.
Com o advento da blogosfera, o escritor ampliou o quadro de personagens ficcionais. E, para assuntos de cobrança, incluiu o Sr. Mário Valadão, que tem robusta experiência na área de extorsão. Hábil na abordagem dos anunciantes inadimplentes, quando não está entretido com algum serviço externo, Valadão mata o tempo ampliando o acervo muscular nas academias de ginástica. E também a fotógrafa Petúnia, que poderia aumentar o FI (Fator de Impacto) do blog EntreMentes, se não tivesse a má ideia de transformá- lo em fotolog. Além de ter o infeliz hábito de oferecer-se para trabalhar nos locais em que ela é enviada para fazer fotorreportagens.
E preparem-se que vem aí o Patrício Poeta, o inventor do "fototrovismo". 

terça-feira, 30 de janeiro de 2024

DUELO DE CAPAS

Este duelo de capas (alto lá, sem espadas) aconteceu por ocasião da arte-final do livro "Edição Êxtase".
De um lado, a GRAVURA FLAMMARION:
Uma das mais icônicas ilustrações que nos remetem ao mundo medieval é a gravura Flammarion. Apareceu pela primeira vez no livro "L’atmosphère: météorologie populaire" (1888), do astrônomo francês Camille Flammarion (1842–1925), no capítulo intitulado “A forma do céu”. Diz a legenda: "um missionário da Idade Média conta que encontrou o lugar onde o céu e a terra se tocam…". O astrônomo, que trabalhou no Observatório Juvissy, ao sul de Paris, além de escrever vários livros sobre ciência popular, em sua juventude foi também aprendiz de gravador para impressão. Então, é provável que Flammarion tenha feito ou supervisionado a gravura para esta ilustração, a qual resume a cosmovisão dominante no Ocidente cristão antes da modernidade.
Do outro, os MOSAICOS ÓPTICOS DO SIENA GALAXY:
Compilado a partir de dados dos telescópios NOIRLab da NSF, o Siena Galaxy Atlas foi projetado para ser o atlas digital das grandes galáxias. Na capa de "Edição Êxtase", o leitor se depara com os mosaicos ópticos de 42 galáxias do sistema SGA-2020, dentre as mais de 380 mil galáxias que se encontram em nossa vizinhança cósmica. Utilizáveis gratuitamente pelo público nos formatos Original, JPEG grande e JPEG screensize, esses mosaicos ilustram a enorme variedade de tipos, tamanhos, cores e perfis de brilho superficial, estrutura interna e os ambientes das galáxias. (Crédito:CTIO/NOIRLab/DOE/NSF/AURA/J. Moustakas).

sábado, 30 de dezembro de 2023

PATENTES DA MPB

Cito Almirante, a maior patente do rádio, Blecaute, o eterno General (da Banda) e o mecânico de aviões Manoel Brigadeiro, o Embaixador do Samba de Brasília, que é autor de mais de 100 composições, com sambas gravados por nomes como Ciro Monteiro, Alcides Gerardi, Isaurinha Garcia, Carmem Costa e Jair Rodrigues. Brigadeiro faleceu aos 93 anos, em 2015.
Prossigo citando o Coronel Antônio de Pádua, mais conhecido por Luiz Antônio, autor de "Sassaricando"... todo mundo leva a vida no arame, "Lata d'água"... na cabeça, lá vai Maria, sobe o morro e não se cansa, "Mulher de Trinta"... você, mulher, que já sofreu, e "Barracão" ... de zinco, tradição do meu país. Seu último sucesso foi "Eu Bebo sim"... estou vivendo, tem gente que não bebe e está morrendo, um samba bem humorado que estourou na década de 1970, na voz da divina Elizeth Cardoso.
Outros músicos da "caserna":
MC Marechal, Coronel Ludugero, Luís Coronel, Major RD, Capitão Barduíno, Tenente Lisboa (maestro), Cadete ( ou K.D.T., pernambucano de Ingazeira, o primeiro cantor a gravar em cilindros para a Casa Edison) Nelson Sargento (da Estação Primeira de Mangueira, autor de "Agoniza mas não morre"), Sargentelli e as mulatas, Sargento Martinho (da Vila) e Raimundo Soldado.
(Lista em construção.)

quinta-feira, 30 de novembro de 2023

A MESÓCLISE

A mesóclise é a colocação do pronome oblíquo no meio do verbo, entre o radical e as terminações. Pode ser usada no futuro do presente (vê-lo-ei) e no futuro do pretérito (vê-lo-ia). Mas, hoje, raramente é. Para o escritor Sérgio Rodrigues, trata-se de “uma joia antiquada da nossa gramática”.
Mesóclises notáveis
"Fi-lo porque qui-lo. Lê-lo-á quem suportá-lo."
Frase célebre atribuída a Jânio Quadros, mas que ele não disse. Na verdade, essa frase foi o título de uma resenha sobre o livro "15 Contos" de autoria de Jânio, publicada na revista"Veja". O autor assim titulou a resenha numa analogia ao estilo dos contos que, segundo o resenhista, era muito rocambolesco, bem ao modo erudito de Jânio. O autor da resenha deve ter escrito a frase sob uma certa "liberdade literária", uma vez que ela está gramaticalmente incorreta. O "porque" atrai o pronome. Logo, a frase gramaticalmente correta teria que ser "fi-lo porque o quis".
"Se eu tivesse trinta anos comê-la-ia. Mas como já tenho mais de setenta, como Eloá."
Dizem que, certa vez, ao olhar para uma foto de Sonia Braga (naquela cena do filme "Gabriela Cravo e Canela", onde ela sobe em um telhado para pegar uma pipa que ficou enroscada por lá), Jânio Quadros teria dito: “Se eu tivesse trinta anos come-la-ia. Mas como já tenho mais de setenta, como Eloá". Eloá era o nome da esposa dele, e essa história possivelmente deve ser uma anedota. Inventada em alusão ao ex-presidente que gostava de usar verbos com pronomes em mesóclise.
O "Príncipe das Mesóclises", Michel Temer, em seu discurso de posse:
"Quando menos fosse, sê-lo-ia pela minha formação democrática e pela minha formação jurídica."
E a resposta do professor tirular da cadeira de Teoria da Comunicação ds UFBA,Wilson Gomes, ao "Principe das Mesóclises" (publicado com limite de letras no Twitter):
1) Se foi ou não golpe, se em sentido literal ou analógico, é controvérsia para séculos, mas que foi um impeachment malandro, com trairagem total e consequências desastrosas, não há dúvida.

2) Temer defende sua herança, mas se acreditasse mesmo em seu legado ter-se-ia candidatado em 2018.
"Barbie-me-ei."
Michel "Ken" Temer, entrando na onda da boneca Barbie, dizendo num vídeo que depois apagou.
Um artigo do advogado João Ricardo da Costa Gonçalves traz uma comparação esclarecedora. Ele contou o total de mesóclises em três Constituições brasileiras. Na de 1824, havia duas. Na de 1891, 25. Na de 1988... eram 81! Isso apesar desse tipo de colocação pronominal ter caído em desuso décadas antes da promulgação da última Carta Magna.

segunda-feira, 30 de outubro de 2023

A TRANSIÇÃO EDITORIAL DO CENTRO MÉDICO CEARENSE PARA A SOBRAMES CEARÁ

Paulo Gurgel Carlos da Silva

Período: 1978 - 1987

Diretores do Centro Médico Cearense (hoje Associação Médica Cearense) no período: Dr. Paulo Marcelo Martins Rodrigues (1978-1979). Dr. José Aguiar Ramos (1980-1981). Dr. Juarez Carvalho (1982-1983). Dr. Lino Antônio Cavalcanti Holanda (1984-1987)

1978 CMC (Presidente: Paulo Marcelo) Diretor Cultural: Emanuel Melo. Missão: criar jornal "CMC Informa" e reativar (c/ Pedro Henrique) revista "Ceará Médico". Curso "Isto não se aprende na escola"

Ideia do 1.º livro: Reuniões lítero-musicais no Gabinete Odontológico do Aquino

1980 Reuniões no CMC (Presidente Aguiar Ramos). Editores Emanuel Melo (c/ Paulo Gurgel). Prefácio Adriano Espínola

1981 VERDEVERSOS 10 AA Coord. Emanuel Melo e Paulo Gurgel Ed. CMC Graf. IOCE

1982 ISTO NÃO SE APRENDE NA ESCOLA 24 AA Coord Emanuel Melo e PH Saraiva Leão Ed. CMC Graf. IOCE

Criação da Sobrames Ceará 24/08/82 (Juarez Carvalho), idealizador Francisco Dionísio Aguiar, posse da 1.ª  Diretoria em 04/11/  presidente da Nacional 1982/84 Odívio Borba Duarte (PE) 1.ª Diretoria Emanuel, Dionísio, Jackson, Lucíola, Nóbrega, Sampaio e Paulo Gurgel 2.ª Diretoria Paulo, Nóbrega, Maria Helena, Lucíola, Emanuel, Ricardo e Fábio. Diretorias Seguintes: GB, Moura, PHSL, Wellington, Telles, José Maria, Leitão e Celina, Marcelo e Arruda (2020/2022)

1983 ENCONTRAM-SE 14 AA Coord. Emanuel Melo e Paulo Gurgel Ed. CMC (Pres. Juarez Carvalho) Graf. IOCE

Todos os participantes das coletâneas VERDEVERSOS e ENCONTRAM-SE foram considerados membros da Sobrames-CE 

1983 PSIQUIATRIA BÁSICA Gerardo da Frota Pinto Coord. Emanuel Melo Ed. CMC (Pres. Lino Holanda) Graf. IOCE

1984 TEMOS UM POUCO 10 AA Coord Emanuel Melo e Paulo Gurgel Ed. CMC / SOBRAMES

1985 NOMES E EXPRESSÕES VULGARES DA MEDICINA NO CEARÁ Eurípedes Chaves Junior Ed. CMC 

1986 CRIAÇÕES 8 AA Coord. Emanuel Melo e Paulo Gurgel Ed. CMC (Pres. Lino Holanda)  / SOBRAMES Graf. CMC

1987 SOBRE TODAS AS COISAS 13 AA Coord. Geraldo Bezerra, Paulo Gurgel e Luiz Moura Ed. SOBRAMES / CMC

1989 LETRA DE MÉDICO 12 AA 12 AA Coord. Geraldo Bezerra SOBRAMES

Siglas: CMC Centro Médico Cearense. IOCE Imprensa Oficial do Ceará. AA Autores. Graf. Gráfica. Ed. Editora. Pres. Presidente. Coord. Coordenação. SOBRAMES-CE Sociedade Brasileira de Médicos Escritores, Seção do Ceará

sábado, 30 de setembro de 2023

VENCEDORES PÓSTUMOS

1
Rodrigo Díaz de Vivar (Burgos, Espanha, 1043 - Valência, 10 de julho de 1099), mais conhecido por El Cid, foi um nobre guerreiro castelhano que viveu no século XI, época em que a Hispânia estava dividida entre reinos rivais de cristãos e mouros (muçulmanos). Sua vida e feitos se tornaram, com as cores da lenda, sobretudo devido a uma canção de gesta ("Cantar de Mio Cid"), datada de 1207, transcrita no século XIV pelo copista Pedro Abád, cujo manuscrito se encontra na Biblioteca Nacional da Espanha, um referencial para os cavaleiros da idade média. A imagem que emerge desse manuscrito é a do cavaleiro medieval idealizado: forte, valente, leal, justo e piedoso. Mas há outras fontes que lhe pintam um retrato bem menos favorável.
Ao contrário da tradição lendária, que aprecia vê-lo morrendo heroicamente em combate, ele faleceu numa cama de seu castelo em Valência. É nesse ponto da história que Rodrigo vira uma lenda. Os mouros ficaram confiantes pois haviam finalmente matado o El Cid. Sua mulher mandou amarrar seu corpo ao cavalo e sua espada a sua mão e o mandou ao campo de batalha. Ao ver El Cid em cima do seu cavalo os mouros passaram a fugir e foram perseguidos e derrotados pelo exército de Rodrigo. Por isso reza a lenda que Don Rodrigo de Castella venceu uma batalha depois de morto. Seus restos mortais, juntamente com os de sua esposa, Jimena, estão sepultados na Catedral de Burgos.
2
Frank Hayes (1901 - 4 de junho de 1923) foi um jóquei que, em 4 de junho de 1923, ganhou uma corrida com obstáculos, apesar de sofrer um ataque cardíaco fatal na parte final da corrida, na pista de Belmont Park em Elmont, Nova Iorque, EUA.
Hayes, de 22 anos, nunca havia vencido uma corrida antes e, na verdade, não era um jóquei, mas um treinador de cavalos. A égua, chamado Sweet Kiss (Beijo Doce), era propriedade de A. M. Frayling. Hayes aparentemente morreu em algum lugar na parte final da corrida, mas seu corpo permaneceu na sela o tempo todo. Sweet Kiss finalmente cruzou a linha de chegada, vencendo por uma cabeça com Hayes tecnicamente ainda em cima dela, tornando-se o primeiro e, até agora, o único jóquei a ter vencido uma corrida após a morte.
A morte de Hayes só foi descoberta quando Frayling e os oficiais da corrida vieram parabenizá-lo logo após a vitória. Foi sugerido que o ataque cardíaco fatal pode ter sido causado pelos esforços extremos de Hayes para cumprir os requisitos de peso, possivelmente seguido pela emoção de cavalgar à frente do pelotão. O jornal relatou que ele havia emagrecido de 64 kg para 58 kg em pouco tempo.
Após a descoberta da morte de Hayes, todas as formalidades pós-corrida foram dispensadas pelo Jockey Club, com o resultado oficial sendo declarado sem a pesagem habitual. Hayes, vestido com seus trajes coloridos de corrida, foi enterrado três dias depois no cemitério de Holy Cross, no Brooklyn, Nova Iorque.
Apelidada pelo resto da vida de "Sweet Kiss of Death" (Doce Beijo da Morte), a égua nunca mais correu.
3
Karl Jochen Rindt (Mainz, 18 de Abril de 1942 — Milão, 5 de Setembro de 1970) foi um automobilista alemão radicado na Áustria. É, até os dias de hoje, o único campeão póstumo da história da Fórmula 1 (1970).
Em 1969, Rindt foi para a escuderia Lotus. Conquistou sua primeira vitória no Grande Prêmio dos Estados Unidos, em Watkins Glen, e terminou o ano com 22 pontos, no quarto lugar do campeonato. E a temporada de 1970 começou com a sua vitória em Mônaco. Desde então, pilotando o seu Lotus 72, Rindt venceu mais quatro Grandes Prêmios naquele ano: Holanda, França, Inglaterra e Alemanha. Durante os treinos para o Grande Prêmio da Itália, em Monza, Rindt sofreu forte acidente na curva Parabólica, devido provavelmente a um problema nos freios. Ele foi imediatamente levado a um hospital, mas faleceu no caminho. 
Rindt, que já havia vencido cinco corridas naquela temporada, não foi alcançado por outros competidores e foi declarado campeão do mundo postumamente. Essa conquista póstuma teve a contribuição de seu companheiro de equipe, Emerson Fittipaldi, que ganhou a prova seguinte em Watkins Glen, impedindo que o belga Jacky Ickx, que corria pela Ferrari, alcançasse uma soma maior de pontos que a já obtida pelo corredor austríaco.

quarta-feira, 30 de agosto de 2023

HAICAIS

Haicai é um gênero de poesia com forma fixa. Possui três versos: o primeiro e o terceiro são redondilhas menores — versos de cinco sílabas —, e o segundo, redondilha maior — verso de sete sílabas. (PGCS)

Para Godot, de Samuel Beckett:
Esperar Godot
que não vem? Oh, eu prefiro
esperar Godiva

Para Salomão:
Além de sabido
se destacou Salomão
na questão libido

Para idosos:
Há necessidade
de passar logo o bastão
na terceira idade
(um haicai que ensina a vencer as corridas de revezamento)

Para as luzes:
boçal o soquete
que espalha ser a lâmpada
somente tiete

o sonho do archote
é (numa noite de inverno)
virar holofote

por demais ilustre
foi que a lâmpada pavoa
soltou-se do lustre

ó farol de milha
belo é teu facho hiperbólico
porém não humilha
(desenho de linha contínua)

domingo, 30 de julho de 2023

LABORES LABORATORIAIS - 3

A Questão Lilly
Merthiolate. Em 1927, o químico da Universidade de Maryland, Morris Kharasch, patenteou este organomercurial, o tiomersal ou timerosal, e o laboratório Eli Lilly posteriormente passou a vender o composto sob o nome de Merthiolate.
Fórmula molecular: C 9 H 9 H g N a O 2 S
Por proibição do Ministério da Saúde em 2001, o tiomersal, também conhecido como timerosal, antes presente na composição da Merthiolate, foi substituído por outro princípio ativo, o digluconato de clorhexidina, que não contém mercúrio. Mas o composto original ainda é usado como conservante em alguns cosméticos e medicamentos biológicos, incluindo vacinas.
Eis a recordação de um usuário do Merthiolate do tempo em que ele era criança:
"Quando o Merthiolate encostava na ferida, você sentia que ali tinha virado um grande campo de batalha. Aquele ardor dava a impressão de que os micróbios estavam sendo derrotados. E, quando o ardor passava, era a confirmação de que a gente tinha conseguido vencer o mal. Enquanto isso, a única coisa capaz de amenizar aquele sofrimento eram as micropartículas da saliva da mãe soprando a ferida."
O Merthiolate, portanto, tinha apelos: 1) pedagógico (ensinando a criança a aguentar o tranco, engolir o choro etc.), 2) psicológico (relacionado com o ardor de uma batalha a se concluir com vitória) e 3) ligado ao binômio materno-infantil (da mãe que acudia para atenuar o sofrimento da criança ). Além disso, o Merthiolate cumpria a função de geolocalização: se ardia é porque foi aplicado no lugar certo. Hoje em dia, com a substituição do tiomersal pela clorhexidina, essa função foi perdida.
https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/16684434
Mercurocromo. É um nome comercial da merbromina, um sal dissódico organomercúrico, associado à fluoresceína
Fórmula molecular da merbromina: C 20 H 9 B r 2 H g Na 2 O 6
Assim como o Merthiolate, o Mercurocromo é usado como um antisséptico tópico para pequenos cortes e arranhões. Também é usado como um corante biológico para marcar as margens de um tecido e como um corante metálico na inspeção industrial com corante penetrante para detectar fraturas metálicas. Devido a seu conteúdo de mercúrio, não está disponível em alguns países, como os Estados Unidos.
https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/441373
Ver também: Só os fortes conhecem 

sexta-feira, 30 de junho de 2023

PARA ONDE VÃO OS GUARDA-CHUVAS

O que todos dizem
Existe um universo paralelo para onde vão todos os guarda-chuvas. O acesso é por um portal, que só pode ser aberto pelas mães (que inclusive são suas guardiãs) por meio de uma senha:
"Se eu for aí e achar, esfrego na sua cara".
Nesse mundo paralelo, os guardas-chuvas estão se juntando e se preparando para dominar o nosso mundo. Um dia eles voltarão, aí um grande guarda-chuva se abrirá, tapará a luz do sol e assim eles poderão nos dominar.
Para o Umbral das Umbrellas.
Para a casa de Mary Poppins.
Fazem um rodízio. Eu perdi um que eu achei. Foram dois anos me protegendo da chuva, hoje ele deve estar protegendo outra pessoa e cumprindo bem o seu papel de um bom guarda-chuva.
Há uma dimensão formada só por coisas que a gente perde, e ela é governada por guarda-chuvas e sombrinhas. O presidente de lá se chama Manda-Chuva porque, quando precisam de mais perdas, ele faz chover.
Tenho uma desconfiança! Já foi na cidade de Águeda em Portugal? Acho que existe uma gangue que leva tudo para lá (rsrsrs).
"Os guarda-chuvas coloridos viraram a marca de Águeda."
Nunca deixe seu garda-chuva para trás!
RESPINGOS NA MEMÓRIA

terça-feira, 30 de maio de 2023

JABUTICABAS

A safra
É agora (a partir de agosto) e dura só uma semana (sic). Alguns fazendeiros alugam o pé por hora. Você sobe no pé, chupa até morrer e depois paga segundo o cronômetro. Tem gente que passa mal. Quando se engole a semente, a prisão de ventre é terrível. O pé demora a dar, mas quando dá... são quilos e quilos. Vive muitos anos e é muito resistente, não dá pragas. (Nelson Cunha)

No meio da confusão
- Manuel, jabuticaba tem asas?
- Não! - responde Joaquim.
- Então, acho que eu engoli um besouro.

Qual é a fêmea mais feliz do mundo?
- É a jabuticaba. Nasce agarrada no pau e morre sendo chupada.
- A piada é fescenina, Nelson, mas não deixa de ser verdadeira.

"Se só existe no Brasil e não é jabuticaba, é besteira."
(MH Simonsen, criticando medidas econômicas propostas pela oposição.)
Entrou em nosso vocabulário para designar, de uma maneira pejorativa, soluções tipicamente brasileiras e/ou recursos legais que ocorram exclusivamente no Brasil.

Incidentalmente...
Não é verdade que a jabuticaba só existe no Brasil. Embora a jabuticabeira, árvore da família das mirtáceas, de fato tenha se originado na Mata Atlântica, também é encontrada em outros países como México, Bolívia, Uruguai, Paraguai e Argentina.

De Vinicius para Mr. Buster
Mas, me diga uma coisa, Mr. Buster:
O Sr. sabe lá o que é ter uma jabuticabeira no quintal?
O Sr. sabe lá o que é torcer pelo Botafogo?
O Sr. sabe lá o que é um choro de Pixinguinha?

domingo, 30 de abril de 2023

EM CARTAZ - VI

PRENDA-ME SE FOR AUDAZ
Produção brasileira de 2016. MC Dapeste (Capo DiTutti Caprio) já foi rato de praia, descuidista e batedor de carteiras, antes de ser um colarinho-sujo de destaque. Mestre na arte de subtrair pertences, ele se aproveita dessa incomparável habilidade para praticar arrastões individuais, o que faz dele o mais bem-sucedido larápio do circuito Barra-Ondina. No fuzuê de um carnaval em Salvador, MC Dapeste arranca uma fita do Senhor do Bonfim do punho de um indefeso folião e sai capando o gato no meio da multidão. Achou que iria passar barroto. Mas, em seu encalço, parte a própria vítima, o pugilista Popó (Acelino Freitas). Orientando-se pelos gritos de "pega ladrão", gritados pelo próprio ladrão para confundir, Popó localiza e encurrala o mão-leve ao lado do camarote da Daniela Mercury. Dá-lhe alguns golpes abaixo da linha de cintura, a fim de deixá-lo bem amaciado para a polícia baiana, e recupera a fita do Senhor do Bonfim. Findo o filme, o dinheiro dos ingressos será devolvido. Porque, vejam vocês, uma sessão que mal começa e acaba, evidentemente se trata de um roubo.
THE LITTLE TRITON
(O PEQUENO TRITÃO, no Brasil; O PEQUENO TRINTÃO, em Portugal)
Você conhece a história.
Um jovem príncipe tritão, insatisfeito com a vida que leva no fundo do mar, vai para a superfície terrestre, onde adquire uma cama Super King a fim de ter um autorrelacionamento sério.

quinta-feira, 30 de março de 2023

BARBEIROS

"Por ser um barbeiro de ofício, tenho acumulado grande experiência sobre a conformação dos pescoços das pessoas e suas respirações."
Extraído da carta de apresentação de um candidato ao cargo de carrasco na Grã-Bretanha, em 1883.

Numa barbearia:
- Como quer que eu corte o cabelo?
- Em silêncio.

Ilustração
Máquina manual para cortar cabelo. Quando "agarrava" doía até a alma.

Das comparações
Mais perigoso do que barbeiro com soluço.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2023

MESÓCLISES NOTÁVEIS

"Fi-lo porque qui-lo. Lê-lo-á quem suportá-lo."
Frase célebre atribuída a Jânio Quadros, mas que ele não disse. Na verdade, essa frase foi o título de uma resenha sobre o livro "15 Contos" de autoria de Jânio, publicada na revista"Veja". O autor assim titulou a resenha numa analogia ao estilo dos contos que, segundo o resenhista, era muito rocambolesco, bem ao modo erudito de Jânio. O autor da resenha deve ter escrito a frase sob uma certa "liberdade literária", uma vez que ela está gramaticalmente incorreta. O "porque" atrai o pronome. Logo, a frase gramaticalmente correta teria que ser "fi-lo porque o quis".
"Se eu tivesse trinta anos comê-la-ia. Mas, como já tenho mais de setenta, como Eloá."
Dizem que, certa vez, ao olhar para uma foto de Sonia Braga (naquela cena do filme "Gabriela Cravo e Canela", onde ela sobe em um telhado para pegar uma pipa que ficou enroscada por lá), Jânio Quadros teria dito: “Se eu tivesse trinta anos come-la-ia. Mas como já tenho mais de setenta, como Eloá". Eloá era o nome da esposa dele, e essa história possivelmente deve ser uma anedota. Inventada em alusão ao ex-presidente que gostava de usar verbos com pronomes em mesóclise.
Nota à imprensa de Michel Temer:
Mesmo tendo vencido as eleições para cuidar do futuro do Brasil, o presidente Luis Inacio Lula da Silva parece insistir em manter os pés no palanque e os olhos no retrovisor, agora tentando reescrever a história por meio de narrativas ideológicas.
Resposta de Wilson Gomes* ao "Principe das Mesóclises" (publicado com limite de letras no Twitter):
1) Se foi ou não golpe, se em sentido literal ou analógico, é controvérsia para séculos, mas que foi um impeachment malandro, com trairagem total e consequências desastrosas, não há dúvida.
2) Temer defende sua herança, mas se acreditasse mesmo em seu legado ter-se-ia candidatado em 2018.
* Wilson Gomes é professor titular da cadeira de Teoria da Comunicação na UFBA, pesquisador do CNPq, colunista da Folha e RevistaCult e da Rádio Metropole. É autor de "Crônica de uma Tragédia Anunciada - como a extrema-direita chegou ao poder".

segunda-feira, 30 de janeiro de 2023

EXPRESSÕES EMBLEMÁTICAS DA CASERNA

A expressão "A cobra vai fumar" é um ditado popular brasileiro que significa algo difícil de ser realizado, e se acontecer, sérios problemas podem surgir.
O ditado surgiu durante o inicio da Segunda Guerra Mundial, como uma provocação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) aos mais pessimistas que diziam "é mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na Guerra".
Cerca de 25.000 homens da FEB foram enviados para combate na Itália, dos quais cerca de 450 homens não retornaram ao Brasil. E um emblema com esta expressão tornou-se símbolo da FEB.
WIKI

"Senta a pua" era uma gíria usada como incentivo na época da II Guerra Mundial. Seria como empregar alguma destas expressões tão comuns nos dias de hoje: "manda bala", "toca em frente", "vai fundo" etc. Na verdade, todas elas são formas de incentivo, que impelem o indivíduo a dar mais de si.
O emblema do avestruz de quepe com a referida expressão foi criado pelo então Capitão Aviador Fortunato Câmara de Oliveira. Do 1.º Grupo de Caça, onde surgiu em 1944, o emblema do avestruz guerreiro foi para a Força Aérea Brasileira (FAB), que o adotou.
http://www.paiquere.com

"Ai da base!", a única das três expressões que não virou emblema. Sua origem é atribuída a um relacionamento homossexual ocorrido na década de 1960, na conservadora Fortaleza, no qual um dos envolvidos era um soldado da Base Aérea. O namoro veio a público e tornou-se um escândalo que saiu nos jornais da cidade. Foi motivo mais que suficiente para a irreverência cearense criar o ditado "Ai da Base!", que logo ganhou espaço nas rodas sociais. E bastava alguém duvidar da masculinidade de outro para soltar esta insinuação: "Ai da Base!".
Fonte: Ceará Moleque, apud Fátima Garcia, em Fortaleza em Fotos e Fatos

sexta-feira, 30 de dezembro de 2022

PRIMEIRAS COISAS POR ÚLTIMO

No livro 11 da Odisseia, Odisseu (Ulisses) encontra sua mãe no Hades (Inferno, em grego) e lhe faz sete perguntas:
1. O que a matou?
2. Uma longa doença?
3. Ou Ártemis (Diana) com suas flechas?
4. Como está meu pai?
5. Como está meu filho?
6. Meus bens estão seguros?
7. Minha esposa tem sido fiel?
Ela responde todas as perguntas, mas estranhamente na ordem inversa:
7. Sua esposa tem sido fiel.
6. Seus bens estão seguros.
5. Seu filho está prosperando.
4. Seu pai está vivo, mas em condições precárias.
3. Ártemis não me matou com suas flechas.
2. Nem uma doença me matou.
1. Mas minha saudade de você me matou.
Essa inversão é chamada de quiasmo e aparece em toda a literatura oral. Para além do seu efeito estético, pensa-se que pode ter ajudado os poetas antigos a recordarem longas passagens e a estrutura de uma história complexa. (Futility Closet)
--------------------------------------------------------------------------
A estruturação do quiasmo (do grego khiasmós, cruzamento) pode entender-se sob a forma de enumeração, na qual os elementos se repetem em ordem invertida. Vejamos como se desenvolve o quiasmo com um exemplo.
1. Acordei.
2. Peguei num livro.
3. Comecei a ler.
3. Acabei de ler.
2. Deixei o livro.
1. Adormeci.
O quiasmo expressar-se-ia da seguinte forma: "Acordei, peguei num livro e comecei a ler. Quando acabei de ler, deixei o livro e adormeci".
-----------------------------------------------------------------------
Para melhor compreensão dessa figura de estilo em que os elementos são dispostos de forma cruzada, eis mais alguns exemplos:
Melhor é merecê-los sem os ter / Que possuí-los sem os merecer. (Os Lusíadas, XI, 93)
Evito-o em toda a parte, em toda a parte ele me persegue.
Vinhas fatigada e triste, e triste e fatigada eu vinha.
Era fera lá fora, em casa carneiro era.
Pouco milho pra muito bico, muita caca pra pouco penico.
------------------------------------------------------------------------
Variante: quiasma. O quiasma óptico é uma estrutura em formato de X formada pelo encontro dos dois nervos ópticos. Localiza-se na parte anterior do assoalho do III ventrículo. Recebe as fibras dos nervos ópticos, que ai cruzam em parte e continuam em direção aos corpos geniculados laterais. (Fig.)

quarta-feira, 30 de novembro de 2022

POR FORA, POR DENTRO

Por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento.
Por fora, um golden retriever; por dentro, um rotweiller.
Por fora, combates; por dentro, temores.
Por fora, sapatão; por dentro, sapatilha.
Por fora, rindo; por dentro, chorando.
Por fora, acordado; por dentro, dormindo.
Por fora, rico; por dentro, pobre.
Por fora pareço sério; por dentro pareço por fora.
Por fora me alisa; por dentro me pisa. (Amelinha)
Façam seus memes, senhores!

domingo, 30 de outubro de 2022

BANCO

O cofre do banco contém apenas dinheiro; frusta-se quem pensar que lá encontrará riqueza. ~ Carlos Drummond de Andrade

Um banco é um estabelecimento que nos empresta um guarda-chuva num dia de sol e nos pede de volta quando começa a chover. ~ Desconhecido

O que é roubar um banco comparado a fundar um banco? ~ Bertolt Brecht

Dê uma arma a um homem e ele pode roubar um banco; dê um banco a um homem e ele pode roubar o mundo. ~ Mr Robot.


Se não tivesse o caso ido a julgamento passaria por uma invencionice.
Em 2008, um cidadão francês acessou  o Banco da França (Banque de France) através do Skype.
Sem identificá-lo, o sistema de segurança do banco permitiu o seu acesso com a senha... 123456.
Mas, não sabendo o que fazer, ele desligou o telefone e foi cuidar de seus negócios.
Descoberta a intrusão, o Banco da França paralisou seus serviços por 48 horas para checar o que tinha acontecido ao sistema. Imagino que, durante esse período, cabeças tenham rolado.
Só em 2010, é que a polícia francesa conseguiu identificar e localizar o tal "hacker". A demora foi causada por problemas enfrentados para receber os dados do intruso no Skype, cuja sede fica no "distante" Luxemburgo.
O fato é que o pobre homem foi preso e levado a julgamento, mas foi absolvido porque o tribunal não constatou nenhuma intenção malévola.
Diálogo
- O que impede de ter uma vida financeira boa? 
- Os seguranças do banco.

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

A CARIDADE ROMANA


[imagem] O pobre homem foi condenado a "morrer de fome", por haver roubado uma pequena quantidade de pão no reinado de Luis XIV, na França. A mulher era sua filha, que teve permissão para visitar o pai todos os dias - sem que pudesse levar-lhe alimentos. Como, depois de algumas semanas na prisão, o homem continuava vivo, as autoridades ficaram perplexas e começaram a espioná-la. E, para o espanto geral, surpreenderam a filha amamentando o pai. Os juízes, então, ao perceberem sua compaixão e seu amor filial, não só a perdoaram como também libertaram o pai.

Curiosamente, existem muitas lendas semelhantes. A caridade romana é a história de uma mulher, Pero, que amamenta secretamente seu pai Cimon depois que ele é encarcerado e sentenciado à morte pela fome. Essa história consta do "Nove Livros de Atos Memoráveis e Provérbios dos Antigos Romanos", do historiador Valerius Maximus. Também teve ecos mitológicos na amamentação de Hércules adulto por Juno, e foi um um tema recorrente para pintores (Caravaggio e Rubens, o segundo fez várias versões) e escultores (no campanário de Ghent). E, no final do romance "As Vinhas da Ira" (1939), de John Steinbeck, quando Rosa de Sharon amamenta um homem doente e faminto no canto de um celeiro.

terça-feira, 30 de agosto de 2022

+ CEBOLA CORTADA

"É um lugar tão secreto, a terra das lágrimas."
~ Saint-Exupéry em "O Pequeno Príncipe"

Em "The Topography of Tears", a fotógrafa Rose-Lynn Fisher explora uma série de fotografias duotônicas de lágrimas derramadas por um caleidoscópio de razões: alegria, tristeza, remorso, esperança, compaixão etc. (por cebolas cortadas), a seguir secas em lâminas de vidro e capturadas em uma ampliação cem vezes maior por meio de um microscópio óptico de alta resolução.

A cebola, que tem sido usada como uma metáfora para a vida (porque se descasca chorando), está em via de perder seu antigo atributo.


Tradução: PGCS


sábado, 30 de julho de 2022

CEBOLA CORTADA

Na mesa posta, o frango desossado
(lembra o tempo? Ah, o tempo
em que eu era mais amado!)
o arroz à grega
para troiano nenhum botar defeito
que eu comia até dizer "chega!"
com aqueles anéis de cebola a dorê
tão supimpas (que a Deus eu pedia
tivessem o tamanho do bambolê);
In: BRIGAS NA COZINHA

Fui colega de turma do compositor cearense Petrúcio no Colégio Batista Santos Dumont, em Fortaleza. Falecido em 06/05/1994, de causa natural, Petrúcio Maia compôs: "Dorothy L'amour", "Frenesi", "Passarás, passarás, passarás", "Batuquê de Praia" (que Fagner gravou com Zico) e "Cebola Cortada", entre outros sucessos musicais.
Vídeo: CEBOLA CORTADA c/ MPB4 e Milton

À primeira vista
Não se impressione com a imagem. A cebola não é intrinsecamente má.

Há uma lágrima no último quadrinho, mas a cebola não é intrinsecamente má.

Por que cortar cebola faz chorar
O corte da cebola libera de suas células um composto de enxofre volátil que, chegando aos olhos, reage com a água das lágrimas, produzindo ácido sulfúrico. Este ácido, por sua vez, irritando as terminações nervosas do olho, causa uma sensação de ardência. Em resposta à irritação, as glândulas lacrimais entram em ação, produzindo e liberando lágrimas para a remoção da substância ácida.

A seguir: + CEBOLA CORTADA

quinta-feira, 30 de junho de 2022

NÃO SEI ...

se vou ao Japão ou ao Jalapão

se caso ou se compro uma bicicleta

se rio ou choro

se fico ou se voo✈

só sei que foi assim.

Do socrático "Só sei que nada sei" ao chicótico "Não sei, só sei que foi assim"


Como eu vim parar neste vídeo?

A ciência acontece nas bordas, nas margens, nas fronteiras. Ocorre onde o conhecido se envolve com o desconhecido. É um método, um mecanismo, uma ferramenta para converter incógnitas em clareza, ganhar novos conhecimentos, revelar novas informações e descobrir novos processos.

"Não sei" é uma frase supreendentemente libertadora. (Leia mais em: https://forbes.com.br/carreira/2019/08/porque-a-frase-eu-nao-sei-e-tao-poderosa/)

segunda-feira, 30 de maio de 2022

PRINCÍPIO DE PARETO

Formulado nos anos 1950 pelo engenheiro e especialista em controle de qualidade americano Joseph Moses Juran, o Princípio de Pareto diz que, para muitos fenômenos, 80% das consequências advêm de 20% das causas, o que também é conhecido como Regra dos 80/20. (*) Seu nome é uma homenagem ao economista italiano Vilfredo Pareto (1848 - 1923), que no fim do século 19 observou que 80% das terras da Itália eram de propriedade de apenas 20% da população do país.
Em 1897, Pareto estava mexendo em seu jardim, quando fez uma descoberta interessante. Ele percebeu que aproximadamente 80% das ervilhas eram produzidas por 20% das vagens. Pareto tinha uma mente matemática. Ao contrário de muitos economistas da época, suas publicações científicas e livros eram preenchidos com equações. E as ervilhas colocaram seu cérebro matemático para funcionar.
E se esta distribuição também estivesse presente em outras áreas da vida?
Na época, Pareto também estudou a distribuição de riqueza em vários países europeus. Como era italiano, ele começou seus estudos analisando a distribuição de renda na Itália. Para sua surpresa, ele descobriu que aproximadamente 80% das terras na Itália eram propriedade de apenas 20% da população. De maneira similar às vagens no seu jardim, a maior parte dos recursos era controlada por uma pequena porção das pessoas.


Pareto então seguiu a sua análise com outros países, e em pouco tempo um padrão similar começou a ser observado.

Em engenharia de software, Lowell Arthur expressou um corolário: "20% do código contém 80% dos erros. Encontre-os e conserte-os."Por exemplo, a Microsoft notou que, ao corrigir os primeiros 20% dos bugs mais relatados, 80% dos erros e panes relacionadas em um dado sistema seriam eliminados.(WIKI)

A seguir, mais alguns fatos que ilustram o Princípio de Pareto:
80% do total de vendas estão relacionados com 20% dos produtos;
80% dos lucros estão relacionados com 20% dos clientes;
80% dos acidentes de trânsito são causados por 20% dos motoristas;
80% dos recursos de saúde são utilizados por 20% dos pacientes;
80% dos usuários de computador usam apenas 20% dos recursos disponíveis;
80% do tempo estamos usando 20% de nossas roupas;
80% das pessoas preferem 20% dos sabores ou cores disponíveis;
80% dos resultados são obtidos por 20% dos funcionários.
80% dos novos casos de Covid-19 têm como origem 20% dos infectados (negacionistas).
80% das mortes em terremotos são causadas por 20% dos grandes abalos sísmicos.
(*) Na realidade, quando dois conjuntos de dados relativos a causa e efeito são relacionados e examinados, o resultado mais esperado é que exista um padrão de desigualdade. Esse padrão pode ser 65/35, 70/30, 75/25, 80/20, 99/1, ou qualquer outro número entre eles. Na realidade, eles nem mesmo precisam somar 100.

sábado, 30 de abril de 2022

PÉROLAS DE MARISCO

Gostaria de que você avaliasse estas pérolas que encontrei no marisco.
~ Alexandra Dias Marques, por e-mail
Alexandra,
Não sou um avaliador de pérolas de qualquer tipo. Em 2011, divulguei a experiência por que passou o genealogista e historiador Ormuz Simonetti quando se deliciava com um caldo de sururu. Depois disso, em 2016, 2018 e 2020, tornei a publicar três notas sobre ostras e pérolas. Você deve ter-se equivocado, por conta disso.
Expertise em pérolas tenho não, mas aqui vão umas dicas que eu andei coletando na web:
- Brilho: é o primeiro critério a ser observado. Quanto maior for o brilho, maior a quantidade de nácar sobre o núcleo, portanto, melhor qualidade.
- Homogeneidade da forma: verrugas, estrias e manchas diminuem o valor das pérolas.
- Cor: é o fator mais subjetivo. Nos Estados Unidos, por exemplo, as pérolas que possuem a cor branca com um leve brilho róseo são as mais valorizadas. No Brasil, a preferência recai sobre as pérolas brancas com reflexos creme.
- Tamanho: quanto maior, mais valiosa é a pérola.
http://www.cpt.com.br/cursos-comofazer/artigos/perolas-tipos-como-avaliar-comprar-e-conservar-as-joias
Na verdade, as variedades comestíveis de ostras produzem um tipo diferente de "pérola" do que é produzido pelas ostras perlíferas. A maioria das pérolas encontradas em ostras comestíveis (ou mariscos) não vale muito ou não vale nada. Elas geralmente são deformadas; no entanto, fique de olho nas redondas. E, se sentir algo duro quando estiver comendo os frutos do mar, não tente mastigá-lo. A maior parte das pérolas encontradas nas ostras comestíveis é bem dura e pode quebrar seu dente. Retire-a da boca imediatamente e, se for redonda, suave e brilhante, leve-a a uma joalheria para ser avaliada.

quarta-feira, 30 de março de 2022

TROCADILHOS

Não tenho preconceito contra trocadilhos. Aliás, considero-os uma das fórmulas consagradas para fazer humor. Nem Cristo dispensou os parônimos: "Pedro, tu és pedra...".

Um entrevistador perguntou a Lamartine Babo qual era a maior aspiração dos artistas do broadcasting, Lalá não vacilou: "A aspiração varia de acordo com o temperamento de cada um… Uns desejam ir ao céu… já que atuam no éter… Outros ‘evaporam-se’ nesse mesmo éter… Os pensamentos da classe são éter… ó… gênios…" - e isso lhe valeu o título de "O Pior Trocadilho de 1941".

Gregory Peck morreu em 2003 e Deborah Kerr, poucos anos depois. Este segundo fato, ao ser divulgado na mídia, colocou novamente em evidência o trocadilho "Se a Deborah Kerr (quer) que o Gregory Peck (peque)", da canção "Flagra", de Rita Lee e Roberto de Carvalho, que foi tema de abertura da novela "Final Feliz" (TV Globo, 1983). Mas, este tópico serve também para levantar uma questão. Apesar da contemporaneidade dos dois atores em Hollywood, alguma vez filmaram juntos? Penso que não. Agora, certo é que, em nossa língua, ambos vão estar juntos para sempre. Pelo trocadilho.

"Mesmo soFRIDA jamais me Kahlo". "Esta é a última foto de Marjorie Estiano (que sai em toda virada do ano)". "Se você não riu dessas piadas, pelo menos o Damon Hill". "Se não gostou, faça melhor! A Betty Faria." Ah, os infames trocadilhos com os nomes dos famosos. 

Recentemente, surgiram os trocadilhos verbivocovisuais (como diriam os poetas concretos):

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

O PLÁGIO DE NOSSA BANDEIRA. CONCLUSÃO

A atual bandeira da Líbia (imagem acima) foi escolhida pelo grupo opositor que depôs o coronel Muammar al-Gaddafi, (*) em agosto de 2011.
As três faixas horizontais representam três regiões marcantes da Líbia: Fezã (vermelha), Cirenaica (preta) e Tripolitânia (verde).
Quanto à lua crescente e à estrela de cinco pontas, foram incluídas no novo estandarte líbio com a suposta intenção de amealhar votos positivos no Quora.
Acho que, de alguma forma, repercutiu a denúncia que fiz em abril de 2010, acusando-os de que eles planejavam copiar gradativamente a bandeira do Brasil (rsrsrs).
(*) Muammar Kadafi (que tem 37 grafias diferentes para o seu nome em árabe, segundo Ivan Lessa) é o autor do livro "Fuga para o Inferno e Outras Histórias", do qual consta o conto "Hiram, o Camelinho Manco", considerado "antológico" por Pierre Salinger (ex-Secretário de Imprensa dos EUA e criador de ungulados).
Original: EntreMentes

domingo, 30 de janeiro de 2022

O HOMEM COM "MAS"

Ajoelha, mas não reza.
Almoça, mas não janta.
Discursa, mas não convence.
Atira, mas não acerta.
É astuto para um, mas não para todos.
Começa, mas não acaba (é capixaba).
Não tem abelhas, mas vende mel.
Contudo, porém, todavia...
só sabe elogiar com "mas".
(em construção)

"Será melhor lidar com as adversidades da conjunção MAS
ou com as pessoas MÁS?
Falando em MAS:
Quem escreve MAIS ou MAS achando que tanto faz,
erra DEMAIS.
MAS, se prestar a devida atenção, um dia não errará MAIS.
E viverá na santa paz." (AA)

Nothing someone says before the word "but" really counts. Nada que alguém diz antes do "mas" realmente conta. (Benjen Stark, do "Game of Thrones")


Esta série engraçada e direta mostra como a sociedade moderna pode ser contraditória graças ao consumismo e outros fatores. A série, intitulada “YES, BUT” apresenta quadrinhos de dois painéis que são capazes de mostrar ironia, absurdo e humor através de seu estilo de arte simples. Criadas pelo artista russo Anton Gudim , as ilustrações desta série podem ser vistas em sua conta no Instagram.

Ver O HOMEM DO CONTRA e também A MULHER DO PRÓXIMO
http://preblog-pg.blogspot.com/2008/01/homem-mulher.html

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

O PUXA-SACO (2)

(Bom para 20 de dezembro, que é quando se comemora o dia da categoria.)
"Todo adulador vive à custa de quem o escuta." ~ La Fontaine
Cada frase desta nobre e vil criatura "é composta de um sujeito, um predicado e um cumprimento", observou Georges Clemenceau
Dante Alighieri colocou os aduladores no oitavo circulo do inferno, junto aos semeadores de discórdia, dos corruptos e dos hipócritas.
Estão no fundo de uma vala, imersos em fezes.
"Deixe-me limpar suas caspas, chefinho."
Cuidado. Ele te alimenta com uma colher vazia.
No livro "Você é o Máximo – A História do Puxa-saquismo", Richard Stengel, ex-editor da Time, escreve que Plutarco dava uma dica para se proteger dos sicofantas.
"Mude suas ideias abruptamente e observe: o bajulador o seguirá."
O puxa-saco (1)

terça-feira, 30 de novembro de 2021

PELA TANGENTE

Numa entrevista:
- Como o senhor viu o fato?
- Pela televisão.
Num consultório:
- Doutor, quebrei meu braço em dois lugares. O que é preciso fazer?
- Não voltar mais a esses lugares.
Numa barbearia:
- Como quer que eu corte o cabelo?
- Em silêncio.
Num funeral:
- Quem é o morto?
- O que está no caixão.
Noutra entrevista:
- Mas a sua prole é grande!
- E grossa... 
Numa descrição da nova secretária (para a esposa):
- Como ela se veste?
- Muito rápido.

sábado, 30 de outubro de 2021

PALAVRAS MÁGICAS

Cite três palavras ou expressões mágicas que consolam

Se fossem apenas pela magia, elas certamente seriam:
  1. Abracadabra
  2. Abre-te, Sésamo
  3. Hocus Pocus
Palavras mágicas são naturalmente tão antigas quanto conjuram a si mesmas, ecos do ritmo e vibração de um poder criativo. Muitas dessas palavras resistiram ao teste do tempo, passando de mestre a aprendiz, de geração em geração. Esses encantamentos antigos, musicais e poéticos têm uma profunda - mas não necessariamente insondável - mística. Por exemplo, há um significado profundo na imagem clichê de um mágico tirando um coelho de uma cartola vazia com a palavra "abracadabra". O mágico está falando uma antiga frase em hebraico que significa "Eu criarei com palavras". Ele está fazendo algo do nada, ecoando aquela famosa frase do Gênesis: "Haja luz e houve luz”, só que neste caso a luz é um coelho branco ... (Hexopedia)

Mas, como devem ser capazes de consolar, então citarei estas:
  1. Grátis
  2. VDMEM
  3. AGCNV
Pague minhas contas, resolva meus problemas. E ganhe inteiramente grátis o direito de falar da minha vida. VDMEM e AGCNV são as abreviaturas para "Vai Doer Mais Em Mim" e "A Gente Compra Na Volta", respectivamente. (rsrsrs)

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

CONTENCIOSOS ENTRE O BRASIL E A FRANÇA


1595. O corsário Toussaint Gurgel, de mãe francesa da Alsácia e pai alemão da Baviera, chega a Cabo Frio, Rio de Janeiro, comandando algumas naus a fim de reforçar o contingente francês, que lutava desde Villegaignon no intento (não alcançado) de fundar no Brasil a França Antártica. Derrotado, preso e depois posto em liberdade (graças à magnanimidade do comandante Botafogo), Toussaint Gurgel integrou-se na vida da colônia e casou-se com Domingas Amaral, filha de portugueses, e desse consórcio resultaram as famílias Amaral Gurgel e Gurgel do Amaral.
http://gurgel-carlos.blogspot.com/2010/09/origem-da-familia-gurgel-do-amaral.html

A tentativa seguinte do Reino Franco foi implantar a França Equinocial no Maranhão, em 1594. Por intermédio de navegadores franceses, que eram negociantes particulares contando com o apoio do rei francês Francisco I. Após muitas batalhas, os franceses foram expulsos definitivamente, em 1615. Os franceses, contudo, jamais desistiram de fixar uma colônia na América do Sul. Finalmente, conseguiram fazê-lo no território que hoje é a Guiana Francesa, com a fundação de Caiena em 1637.
http://www.todamateria.com.br/franca-equinocial/

É bom lembrar. Foi Palheta quem trouxe da Guiana Francesa as primeiras mudas de café para o Brasil, em 1727. A história é rocambolesca, envolve todo tipo de favores por parte da esposa do então governador de Caiena, apaixonada pelo fazendeiro do Pará. Vale a publicação de uma thread no Twitter.
http://blogdopg.blogspot.com/2021/07/a-semente-do-ouro-negro.html c/ vídeo

Para se vingar da invasão napoleônica de Portugal, D. João VI também comandou negócios de contrabando, em 1809. E há, segundo Luiz Antonio Simas, uma história curiosa nessa treta.
Na Guiana Francesa havia o horto La Gabriela, onde eram cultivados os mais variados tipos de especiarias. Dom Rodrigo de Souza Coutinho, que cuidava dos hortos brasileiros, determinou que fossem transportadas de Caiena para o Brasil mudas de diversas plantas.
Foi assim que chegaram ao Brasil mudas de cravo da índia, canela, fruta-pão, noz moscada, cana caiena (caiana), abacateiro etc. As mudas - de 82 espécies - foram fundamentais para o desenvolvimento do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
http://twitter.com/simas_luiz/status/1165663171522289664

A Guerra da Lagosta, como a imprensa da época jocosamente denominou, foi um contencioso entre os governos do Brasil e da França, que se desenvolveu entre 1961 e 1963. O episódio faz parte da História das Relações Internacionais do Brasil, e girou em torno da captura ilegal de lagostas, por parte de embarcações de pesca francesas, em águas territoriais no litoral da região Nordeste do Brasil.
Em 1961, o então presidente da república brasileira, Jânio da Silva Quadros, preparou um plano secreto que envolvia o governador nomeado Moura Cavalcanti, do Amapá, para a invasão e consequente anexação brasileira da Guiana Francesa. A operação chegou a entrar em fase de treinamento militar, mas foi abortada pela inesperada renúncia de Quadros.
Ainda ensejou que o novo governo brasileiro (João Goulart) tomasse uma atitude de persuasão naval, determinando o envio de navios da Marinha do Brasil ao local da crise a fim de demonstrar que o País estava disposto a defender seus direitos. Finalmente, o conflito de interesses foi resolvido no campo da diplomacia.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_da_Lagosta

Neste mais recente contencioso com a França, vencemos com a experiência que havíamos adquirido na Batalha de Itararé. O risco atual é sermos tentados a excluir a França da situação de país amazônico. Ao tempo em que também lhe expropiaremos a base de Kourou para compensar a besteira que fizemos, em 2019, quando cedemos aos gringos a nossa base espacial em Alcântara. Ora, a França divide com o Brasil a maior de suas fronteiras (673 km), e sabem o que isto representa em caso de confronto? Os e-books de história relatarão no futuro que o Brasil foi anexado à Guiana Francesa.

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

TRISCADEICAFOBIA

I
Triscadeicafobia (de triskaidekaphobia).
É o medo irracional ao número 13. O termo foi usado pela primeira vez por Isador Coriat em "Abnormal Psychology".
Há um programa de 12 passos para o tratamento dos portadores desta fobia.
O último deles diz:
Se até aqui você não curou, então desista.
Mito
A mais antiga referência ao 13 como um número de má sorte estaria no Código de Hamurabi, de 1780 a.C., onde o artigo 13 foi omitido. Na verdade, o código original de Hamurabi não tem numeração. A tradução de LW King, de 1910, editada por Richard Hooker, é que omitiu o artigo. No entanto, outras traduções do Código incluiram o artigo 13. Como, por exemplo, a tradução de Robert Francis Harper.
II
De acordo com a empresa Otis, 85 por cento dos painéis que eles criam para seus elevadores omitem o andar 13. Por vezes, em favor de 12A; outras vezes, substituindo-o por M, a 13ª letra do alfabeto. Em alguns edifícios, o 13º andar é relegado para funções mecânicas ou de armazenamento, ou é dado a ele uma designação especial (como "Pool Nivel" ou "Restaurant Floor").
Nomes de facínoras com 13 letras
ALBERT DE SALVO (o Estrangulador de Boston)
THEODORE BUNDY (serial killer)
JEFFREY DAHMER (serial killer)
JACK THE RIPPER (Jack, o Estripador)
CHARLES MANSON (na foto ao lado, assassino da atriz Sharon Tate, esposa do cineasta Roman Polanski, e atualmente cumprindo pena de prisão perpétua na Califórnia)
III
Schoenberg sofria de triscadeicafobia, que é um medo paralisante do número 13. O irônico, ou incrível, é que ele nasceu em 13 de setembro de 1874 e, como o destino quis, morreu em 13 de julho de 1951 (uma sexta-feira 13) aos 76 anos (7 + 6 = 13). Para ele, uma combinação perigosa.
Poderíamos considerar irrelevantes esses fatores extramusicais da vida desse importante compositor vienense que chegou à cena musical, praticamente, como autodidata. Entretanto, a superstição também influenciou algumas de suas decisões na vida profissional. Vamos a um bom exemplo. No final da década de 1920, de forma intencional, grafou o título de sua ópera inacabada como "Moses und Aron", quando o correto seria "Moses und Aaron", adivinhem o motivo!
E será que esse fascínio pela numerologia influenciou Schoenberg na maior de suas invenções, o sistema dodecafônico de composição?

sexta-feira, 30 de julho de 2021

MICROLITERATURA (2)

A chamada microliteratura vem ganhando espaço (apesar de usá-lo tão pouco) nesses tempos tecnológicos, muitas vezes por estar associada às ideias do minimalismo.
Nela estão o microconto, o micropoema, o haikai e outras produções literárias assemelhadas.
No caso do microconto, costuma-se limitá-lo a um teto de 150 caracteres. A concisão, no entanto, não é a única característica do microconto. Este, mais do que mostrar, deve sugerir. Cabendo ao leitor a tarefa de preencher - com a imaginação - as "elipses narrativas" do microconto.
Estabelecer um limite de 150 caracteres permite, por exemplo, o microconto ser enviado como "torpedo" por um telefone celular, o que em si já evidencia a sua ligação com as novas tecnologias de informação e comunicação.
Uma variante do microconto é o nanoconto, do qual se exige um máximo de 50 letras. São exemplos do nanoconto:
"Quando acordou o dinossauro ainda estava lá."
"Garota, 9, desaparece ao usar creme que rejuvenesce 10 anos."
O professor de literatura comparada da Universidade Hebraica de Jerusalém, David Fishelov, é um estudioso das "histórias que têm apenas seis palavras". Em seu ensaio sobre o assunto, "The Poetics of Six-Words Stories", cujo título tem inclusive seis palavras (desde que você conte a hifenizada "Six-Words" como sendo apenas uma palavra).
Então, quem foi o criador dessa tão radical categoria de narrativa?
Alguns afirmam que foi Ernest Hemingway. Com seu famoso conto: "For sale: baby shoes, never worn" (À venda: sapatos de bebê, nunca usados).
Quanto ao micropoema, reúno alguma experiência no ramo com meus "Micropoemas do Infortúnio".
Voai, beija-flor
Helicoptérica ave, voai
- - - para trás, principalmente.
Pois não importa aonde ides
- - - e sim:::
- - - - - - - - - ¿onde estiverdes?
E, para finalizar o tema, não poderia omitir o papel da microcrítica, a qual funciona no modelo dicotomizado do "gostei" vs. "não gostei". Sendo oportuno, a meu ver, que se substitua o caráter textual da microcrítica pelos sinais de polegares.

👍 thumbs up

👎 thumbs down

quarta-feira, 30 de junho de 2021

O JULGAMENTO DE FRINEIA

Ficou famoso o caso de Frineia, cuja formosura despertou paixões e ciúmes. Acusada de explorar o próprio corpo por um pretendente desprezado, a cortesã foi levada a um júri de cidadãos ilibados de Atenas.
Mesmo com sua preparação e esforço, o talentoso Hiperides, um dos dez oradores áticos (eram uma espécie de advogados da Antiguidade clássica), não estava conseguindo convencer o júri.
No momento da sentença, os jurados botaram o polegar para baixo. Era a condenação fatal.
Olavo Bilac tem um poema dedicado a esse julgamento dramático. Segundo o poeta, ela despiu os véus que a cobriam e surgiu toda nua, "no triunfo imortal da Carne e da Beleza".
São estes os versos finais do poema:
Pasmam subitamente os juizes deslumbrados,
- Leões pelo calmo olhar de um domador curvados:
Nua e branca, de pé, patente à luz do dia
Todo o corpo ideal, Frineia aparecia
Diante da multidão atônita e surpresa,
No triunfo imortal da Carne e da Beleza.
Diante daquela monumental escultura, "um a um os polegares dos juízes foram subindo, subindo, sendo provável que também subissem outras partes dos respeitáveis membros do júri".
(Os créditos de tais detalhes pertencem Carlos Heitor Cony.)
A verdade é que a história do julgamento de Frineia foi recriada com base em poucas passagens de escritos da época e relatos de autores que não estiverem presentes. Sabe-se que o julgamento ocorreu e que o discurso de Hipérides em sua defesa foi um dos mais admirados da Antiguidade, mas dele restam apenas alguns fragmentos.
Nada disso impediu que o dramático julgamento inspirasse várias obras de arte, desde pinturas como a que ilustra esta postagem, de Jean-Léon Gérôme (1861), e várias outras, até esculturas de artistas como o americano Albert Weine.
Além de Olavo Bilac, poetas como Charles Baudelaire, Francisco de Quevedo e Rainer Maria Rilke escreveram pensando em Frineia, o francês Camille Saint-Saëns criou uma ópera que leva seu nome, e o italiano Mario Bonnard dirigiu um filme sobre a cortesã.
No Brasil, Adelino Moreira compôs "Escultura", que alcançou grande sucesso na voz de Nelson Gonçalves. Neste samba-canção, ao criar em sua imaginação uma mulher que atingisse a perfeição, Adelino não foi buscar em Frineia o atributo da beleza e sim o da malícia.
Original: Blog EM, 12/04/2021