quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

FARINHA DE MANDIOCA

"... o primeiro elemento de adaptação, acomodação e de conquista do português." ~ Célia Corsino

Provérbios
Sábado de aleluia, carne no prato, farinha na cuia.
Não há carne sem osso nem farinha sem caroço.
Farinha pouca, meu pirão primeiro.

Não é só na memória afetiva dos brasileiros que a mandioca é importante – dela, Jorge Amado escreveu em seu "Navegação de Cabotagem": "onde quer que esteja levo o Brasil comigo mas, ai de mim, não levo farinha de mandioca e sinto falta todos os dias, ao almoço e ao jantar". [1]

"Comida de pobre é farinha: engrossa o que está fino, esfria o que está quente e aumenta o que está pouco." ~ Otacílio Correia. [2]

Em 1817, na “Revolução dos Padres”, em Pernambuco, eles deixaram de fazer hóstias de trigo para fazê-las com tapioca. Mandioca, portanto. [3]

O Brasil não está fora do hábito da entomofagia. Na Serra da Ibiapaba, no Ceará, por exemplo, há pessoas que destacam as "bundas" das formigas tanajuras (fêmeas aladas das saúvas, que aparecem em grande quantidade no início da estação chuvosa e que são capturadas) para fritá-las, misturá-las com farinha de mandioca e... comê-las! [4]

Diálogo [5]
— Gosta de mulher?
— Muito.
— E de farinha?
— Vixe!!!

Diálogo [6]
Cearense vivia em uma ilha deserta há dez anos.
Um dia aparece uma estupenda loura, com roupa de mergulho, que vai até ele e diz.
Quanto tempo faz que você não fuma um cigarro?
Dez anos!
Ela abre um bolso impermeável de sua roupa, de onde tira um maço de cigarros. Cearense pega um, acende, dá uma tragada e diz:
Aí sim!
Ela pergunta:
Há quanto tempo  você não bebe um uísque?
Dez anos!
Ela abre outro bolso, tira um frasco de uísque e lhe entrega. Cearense toma um longo gole e diz:
Bom demais!
Então, ela começa a abrir o zíper da roupa de mergulho e pergunta:
Há quanto tempo você não come o que mais gosta?
Fresque, não. Quer dizer que você tem farinha aí dentro?

"Pererê não come nada sem farinha." ~ Ivete Sangalo [7]

:-( Mas a sorte desandou /Quando eu cheguei a Alagoinha / Bexiga deu na nega / Catapora na filhinha / Morreu o meu tatu-bola / Filho do tatu-bolinha / Roubaram o meu facão / Com todo o aço que tinha / Vinte couros de boi manso / Só no bocal da bainha / Morreu minha capoeira / Das quatrocentas galinhas / Gorgulho deu no feijão, colega / E mofo deu na farinha. ~ Dorival Caymmi ou domínio público [8]

Canto de capoeira
"Ô Inácio, ô Inácio
Mulher casa não come
Farinha do mesmo dia
Se ela come, ela morre
E seu filho não se cria." [9]

[1] http://www.tijolaco.com.br/blog/mandioca-e-os-idiotas/
[2] http://blogdopg.blogspot.com.br/2013/07/farinha.html
[3] http://www.folhape.com.br/noticias/noticias/especial/2017/03/06/NWS,19975,70,563,NOTICIAS,2190-O-PAO-TRIGO-FOI-SUBSTITUIDO-PELA-TAPIOCA-VINHO-PELA-CACHACA.aspx
[4] http://blogdopg.blogspot.com.br/2008/08/entomofagia.html
[5] http://blogdopg.blogspot.com.br/2017/10/quatro-antonios.html
[6] http://issuu.com/shadown21/docs/jornal_dez2017
[7] http://pt.wikipedia.org/wiki/Perer%C3%AA
[8] http://blogdopg.blogspot.com.br/2014/08/fiz-uma-viagem.html
[9] http://www20.opovo.com.br/app/opovo/vidaearte/2014/10/04/noticiasjornalvidaearte,3325103/notas-politicas.shtml