sexta-feira, 30 de agosto de 2019

GIGANTES E ANÕES

Newton escreveu a Hooke: "O que Descartes fez foi um bom passo." (...) "Se eu já vi mais, é porque estava em (pé sobre) ombros de gigantes".
A carta está na Sociedade Histórica da Pensilvânia:
Isso foi interpretado por alguns escritores como uma observação sarcástica direcionada à aparência de Hooke, que era portador de uma cifose grave. Naquele tempo, Hooke e Newton tinham um bom relacionamento e trocavam muitas cartas em tons de consideração mútua. Só mais tarde, quando o primeiro criticou algumas das idéias do segundo com relação à óptica, Newton ficou tão ofendido que se retirou do debate público. E os dois homens permaneceram inimigos até a morte de Hooke.
É quando me dou conta de que a grande ciência necessita de grandes inimigos. E me recordo das palavras de um Prêmio Nobel de Física, Murray Gell-Mann:
"Se vi mais longe do que os outros, é porque estava cercado de anões."
A metáfora de anões em pé sobre os ombros de gigantes (latino: nanos gigantum humeris insidentes) expressa o significado de "descobrir a verdade construindo sobre descobertas anteriores". Uma imagem presente na mitologia grega em que o gigante cego Orion carrega o servo Cedalion nos ombros para que este funcione como seus olhos.
No mais, aqui vão dois reparos:
A primeira frase em negrito, que se atribui frequentemente a Isaac Newton, por tê-la citado em sua carta para Thomas Hooke, é na verdade de Bernardo "Ombros de Gigantes" Camomensis, o Bernardo de Chartres, um filósofo do século 12. Embora a moeda britânica de duas libras, com a inscrição STANDING ON THE SHOULDERS OF GIANTS em sua borda, denote a intenção de homenagear Newton.
Já a terceira frase em negrito, ela não é minha e sim de Dave Pacheco, um blogueiro estadunidense do século 21, que disse:
"Se eu não tenho visto tanto quanto Isaac Newton é porque eu estava sobre os ombros de uma gigante que usava uma blusa decotada."
Original: EM, 20/07/2018

terça-feira, 30 de julho de 2019

ABUTRES

Descubram seus rostos
Que anjos são esses
Que me espantam os mosquitos do verão
Mas que não se importam
Quando me rondam os abutres?
Original: EM, 26/11/2007
Urubu malandro e os abutres em geral
Todos os anos, em 15 de março desde 1957, a cidade de Hinckley, Ohio, aguarda ansiosamente o retorno dos urubus ao "Buzzards' Roost" (Poleiro dos Abutres), na Reserva Hinckley.
A celebração do retorno anual dos abutres começa cedo (6h30) na reserva de Hinckley do Cleveland Metropark . Liderados pelo "Oficial Buzzard Spotter", o Dr. Bob Hinkle, os madrugadores levantam seus binóculos e câmeras para competir pelo primeiro avistamento. É tudo uma boa diversão e um sinal certo de que a primavera está a caminho.
Original: EM, 02/09/2017
O Piquenique dos Abutres
Para seu trabalho de 2009, "In Ictu Oculi" (Em um piscar de olhos), a artista Greta Alfaro pôs uma mesa do lado de fora, na vila espanhola de Fitero, e filmou um convescote entre 40 abutres.
"Não foi fácil fazê-los chegar à mesa" , disse ela ao Instituto Translocal de Arte Contemporânea. "Eu tive que esperar por uma semana, arrumando a mesa todas as manhãs e desarmando-a ao anoitecer. Os abutres têm uma visão extraordinária, e se um deles perceber que há comida, ele fará círculos no ar para que os outros saibam. Eles se aproximavam da cena todos os dias, mas minha presença ou a presença da mesa impediam que eles se aproximassem".
"Acho que foi importante para refletir sobre a impermanência de quase tudo e sobre o fato de que a vida não pode ser controlada", concluiu Greta.
Original: EM, 10/03/2019
Como os abutres encontram a comida
Em 1833, para mostrar que os abutres encontravam suas presas pela visão e não pelo cheiro, o naturalista John Bachman fez "uma pintura grosseira representando uma ovelha esfolada".
Isso provou ser muito divertido: assim que o quadro foi colocada no chão, os abutres o observaram, pousaram perto, passaram por ele e alguns deles começaram a bicar a pintura. Eles pareciam muito desapontados e, depois de terem atendidos à curiosidade, voaram para longe. Esta experiência foi repetida mais de cinquenta vezes, com o mesmo resultado.
Ele confirmou o resultado colocando a pintura a dois pés de uma pilha de miúdos camuflados em seu jardim. "Eles vieram como de costume, andaram em volta, mas em nenhum momento evidenciaram os mais leves indícios de terem detectado os miúdos que estavam tão perto deles."
Então, Bachman concluiu que, embora os abutres tenham um olfato, eles não o usam para encontrar comida.
Original: EM, 24/07/2019

domingo, 30 de junho de 2019

TARTARUGAS COSMOLÓGICAS

... até o fim
A seguinte anedota é contada a respeito de William James.
Depois de uma palestra sobre cosmologia e a estrutura do sistema solar, James foi abordado por uma velhinha.
"Sua teoria de que o Sol é o centro do sistema solar, e a Terra é uma bola que gira em torno dele, Sr. James, é interessante, porém está errada. Eu tenho uma teoria melhor", disse a velhinha.
"E qual é, madame?" perguntou James, educadamente.
"Nós vivemos em uma crosta de terra que está nas costas de uma tartaruga gigante."
"Se a sua teoria está correta, madame", retrucou ele, "onde a tal tartaruga está?"
"O senhor é um homem muito inteligente, Sr. James, e essa é uma pergunta muito boa", respondeu a velhinha, "mas eu tenho a resposta: a tartaruga está nas costas de uma segunda tartaruga, muito maior e que está exatamente sob a primeira".
"Mas... onde a segunda tartaruga está?" persistiu James, pacientemente.
A velhinha cantou, triunfante:
"Não adianta, Sr. James, há tartarugas até o fim."
– JR Ross, Constraints on Variables in Syntax, 1967
... em todo o caminho
Stephen Hawking incorporou o ditado "Turtles all the way down" (Tartarugas em todo o caminho)" em seu livro de 1988, "Uma Breve História do Tempo":
Um cientista conhecido (alguns dizem que foi Bertrand Russell ), uma vez deu uma conferência pública sobre astronomia. Ele descreveu como a Terra orbita em torno do Sol e como o Sol, por sua vez, orbita em torno do centro de uma vasta coleção de estrelas que é a nossa Galáxia. No final da palestra, uma velhinha nos fundos da sala levantou-se e disse: "O que você nos disse é lixo. O mundo é realmente uma placa plana apoiada nas costas de uma tartaruga gigante." O cientista deu um sorriso superior antes de responder: "Onde a tartaruga se apoia". "Você é muito inteligente, jovem, muito inteligente", disse a velha senhora. "Mas há tartarugas em todo o caminho!"
–  WIKI
Quer você a veja como profundamente metafísica, ou apenas zombando da física, você ainda pode sorrir ao ler sobre essa teoria (das tartarugas até o fim / em todo o caminho).
Original: EM, 23/03/19
Com relação à teoria da Terra sustentada por elefantes, com estes, por sua vez, vivendo sobre o casco de uma enorme tartaruga, como descreviam os antigos:
O que estaria a pensar este quelônio?
"Por que, sendo eu uma criatura do espaço, tenho patas para nadar? Por que há elefantes em minhas costas e mais esta rocha monstruosa? Preciso me acasalar, onde é que estão as outras tartarugas do espaço?"
Original: EM, 11/05/18

quinta-feira, 30 de maio de 2019

WANDA E VÂNDALO

Inspirado em "Jackass" (um programa de TV com brincadeiras perigosas e autolesivas), um grupo de amigos terminou uma festa com a ingestão de peixes vivos de um aquário. Depois que os peixes dourados desceram suavemente, um bagre Corydoras aeneus foi ingerido. Desconhecendo a morfologia e o comportamento antipredador dessa espécie, um homem saudável, mas alcoolizado, de 28 anos, teve uma surpresa. O bagre abriu e travou as espinhas de suas nadadeiras peitorais, alojando-se na hipofaringe do homem. Após várias horas, ele se apresentou no pronto-socorro com disfonia e disfagia. O peixe teve que ser removido por endoscopia. A intubação e a internação na unidade de terapia intensiva foram necessárias devido ao edema laríngeo. Duas semanas após a intervenção que salvou sua vida, o paciente já completamente recuperado doou o peixe para o Museu de História Natural de Roterdã. A publicidade gerada pela exibição pública do peixe não engolido enfatizou o aviso oficial do "Jackass": "não tente fazer nenhuma das cenas de ação que você está prestes a ver".
Entre as referências do artigo que publicou o caso do peixe que não desce redondo, destaca-se: Cleese J, Crichton C. Um peixe chamado Wanda. Beverly Hills (CA): Produção da Metro-Goldwyn-Mayer; 1988.

Original: Nova Acta, xx/xx/xxxx
Um peixe chamado Vândalo
O martelo é comandado pelo peixe para quebrar coisas.
Ver os detalhes de como isto funciona no Robotic Gizmos.
Original: EM, 07/11/2017

terça-feira, 30 de abril de 2019

HUMBERTO GOMES MAGALHÃES

Correspondência
Sou irmão do Humberto Gomes Magalhães, desenhista do jornal A Ferragista. O Sr tem algum acervo do Jornal?
Agradeço pela a atenção. Visitei o seu rico blog, muito bem feito e cheio de cultura. O Preblog é ótimo.
Atenciosamente,
Sérgio Luís Oliveira Magalhães
Olá, Prof. Sérgio Luís.
Lembro-me do Humberto, que desenhava para o jornal A Ferragista.
Dê-me notícias a respeito dele.
Edmilson Alves, proprietário desse house organ, certa vez presenteou a cada colaborador quatro volumes encadernados com as edições do jornal.
Acredito que possa localizá-los.
Em tempo:
ILUSTRADORES PARA CHAMAR DE MEUS (slideshow)
Os desenhos dos slides 12 e 13 (O asteroide da mão estendida, Preblog) teriam sido feitos por seu irmão?
Estou curioso para saber o motivo de seu interesse.
Paulo Gurgel
Muito obrigado pela atenção. Meu interesse é colecionar e guardar a obra do meu irmão, pois seus filho e esposa não a tem. Ele já está entre as estrelas desde de 1986. Faleceu de *** em Limoeiro do Norte-Ce. Somos todos do pequeno município de São João do Jaguaribe - Ce, distante da capital 225 km, aqui no Baixo Jaguaribe.
Sérgio Luís
Olá, Prof. Sérgio.
No edifício em que resido cada morador dispõe de um compartimento na garagem para guardar algumas coisas.
Era minha intenção apanhar os quatro volumes encadernados das edições de "A Ferragista" para doá-las a vocês, familiares de Humberto.
Mas.
Uma desagradável surpresa: estavam completamente destruídos por uma infestação de cupins!
Os biblioclastas! Não foi a primeira vez que eles fizeram isto comigo.
http://blogdopg.blogspot.com.br/2007/04/um-show-que-no-acabou.html#links
Um abraço.
Paulo Gurgel
PESQUISA NA INTERNET
A cultura como resistência nas páginas da revista "O Saco", por Rodrigo C. Vargas
O primeiro número da revista saiu em abril de 1976 com 32 páginas e a colaboração de nomes desconhecidos e outros consagrados nas diversas áreas artísticas que compreendiam "O Saco". No caderno Prosa, conto de Airton Monte titulado "Ave Noturna" com ilustração de Humberto, o diagramador do grupo. Conto de Carlos Emilio chamado "O Labirinto" com ilustração de Pedro Eymar. Conto do Jackson Sampaio chamado "Edifício Vesúvio" com mais uma ilustração de Humberto, que também ilustra o último conto, "Juízo Final", de Nilto Maciel.
A pouca experiência contou para o encerramento das atividades. Raposo era o único que sabia lidar com uma empresa, era proprietário de um grupo livreiro encorpado que funcionava em Fortaleza; mas os outros três eram jovens recém formados. Carlos Emilio ainda morava com os pais. Edmundo de Castro, Estrigas e Humberto Gomes Magalhães ajudaram, mas apenas no campo criativo.
O Vertebral
PerCurso "O Saco": criatividade e resistência
Revista literária formada por Carlos Emílio Correia Lima, Nilto Maciel, Jackson Sampaio e Humberto Magalhães, junto a Manoel Coelho Raposo, "O Saco Cultural" foi uma publicação cearense de curta duração porém de consideráveis impactos na Fortaleza e no Brasil dos anos 1970. Seus 15 meses de atividades foram suficientes para lograr uma distribuição nacional chegando tanto a importantes cidades do Brasil (com tiragem de 15.000 exemplares!) quanto à mesa dos censores e da Polícia Federal em pleno Regime Militar. Neste percurso fizemos um passeio sobre esse importante momento da Cultura no Ceará, conhecendo um pouco mais o ambiente da cidade, a produção literária e os seus intelectuais, "O Saco" e seu conteúdo.
O mediador foi o Carlos Emílio Correia Lima, escritor, poeta, editor, ensaísta, antidesigner, foi um dos fundadores da revista O Saco.
PerCursos Urbanos

sábado, 30 de março de 2019

CLECS E BAMBANGAS

Leite derramado
Aqui não se trata de uma referência a um romance do Chico Buarque. É o título de uma postagem do blog Frases Ilustradas, em que uma frase de Eno Teodoro Wanke é transcrita sob uma belíssima ilustração de Ceó Pontual (como todas as que ele desenha para o seu blog).
A frase citada é a seguinte:
"Mesmo depois do leite derramado é importante pensar que a vida continua e a vaca não morreu."
Eno Teodoro Wanke (Ponta Grossa, PR, 28 de junho de 1929 – Rio de Janeiro, RJ, 28 de maio de 2001), que foi um engenheiro da Petrobrás e poeta, teve uma forte presença no cenário literário brasileiro a partir de 1960. Escrevia principalmente minicontos, trovas e clecs, muitos clecs (como ele chamava os seus pensamentos humorísticos). A frase que foi citada por Ceó é um destes. Eis outros exemplos de seus clecs:
"Quando um adjetivo mente, ele, por castigo, vira advérbio. Folha que se desprende da árvore não volta nunca mais. Melhor perder o trem do que perder a linha. O sol nasce para todos, mas a maioria prefere dormir um pouco mais."
Ainda guardo todos os livros autografados que dele recebi pelos Correios. São onze livros de clecs e minicontos, dois de trovas ("A Trova Literária", um clássico sobre o assunto, e "Antologia da Trova Escabrosa") e ainda um livreto, intitulado "A Ortografia Que Nos Atormenta", no qual Eno Wanke faz uma defesa da ortografia fonética para a nossa língua.
Blog EM, 21/08/2009
Atualização
Pela curiosidade que apresenta, transcrevo o trecho de um artigo de Filemon F. Martins, Quem foi Eno Theodoro Wanke?, postado em "Usina de Letras":
"Como sonetista de primeira, (Eno Wanke) obteve com o soneto "Apelo", 160 versões para 95 idiomas e dialetos. É o soneto em português mais traduzido para idiomas estrangeiros.
Eu venho da lição dos tempos idos /e vejo a guerra no horizonte armada. /Será que os homens bons não fazem nada? /Será que não me prestarão ouvidos? /Eu vejo a Humanidade manejada /em prol dos interesses corrompidos. /É mister acabar com esta espada /suspensa sobre os lares oprimidos! /É preciso ganhar maturidade /no fomento da paz e da verdade, /na supressão do mal e da loucura... /Que a estrutura econômica da guerra /se faça em pó! E que reinem sobre a terra /os frutos do trabalho e da fartura!"
Bambangas
Naquela época, recebia também pelos Correios, com menor frequência, os livros do baiano de Ipojuca, médico e memorialista José Lemos de Sant'Ana. Ainda disponíveis em livrarias virtuais, alguns deles têm os curiosos títulos de "Bambangas", "Outros bambangas", "Mais bambangas" e "Ainda bambangas".

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

O CRIADOR DE CAPOTES

Certa vez, um paciente em sua consulta de retorno me presenteou com dois capotes. No Nordeste brasileiro, pessoas oriundas da zona rural demonstram sua gratidão aos médicos trazendo-lhes algum mimo.
Sabendo que ele ficaria magoado com a minha recusa em recebê-los, aceitei-os.
Capote é bicho que tem uma vastidão de sinônimos: galinha d'angola, cocá, guiné, pintada. E até "tô-fraco", em alusão ao som que eles incessantemente emitem.
Vinham numa caixa com orifícios servindo de respiradouro. Desamarrei-lhes os pés e soltei-os no quintal de casa (para adiante resolver o que faria com eles).
A presença deles foi uma festa para meus filhos que ainda não conheciam tal tipo de galináceo. Certamente ninguém ali pensava em comê-los.
E foi o primeiro dia e fez-se noite. Na madrugada do segundo dia, fui despertado com guinchos estridentes que vinham do jardim, das áreas laterais da casa e do quintal.
Não consegui mais dormir. Tendo ali aprendido a duras penas que, além de vocalizar aquele "tô-fraco" conhecido, o capote, qualquer capote, utiliza-se de uma segunda língua no período do alvorecer.
E foi o segundo dia e fez-se noite. Na madrugada do terceiro dia, mais guinchos aconteceram que me acordaram. Desta vez, começaram mais cedo e eram mais fortes.
Havia, como pude verificar a seguir, uma justificativa para o recrudescimento. A cantoria estava sendo reforçada pela participação de um terceiro capote que chegara voando das redondezas.
Não! Eu não ia fazer o papel de um insone criador de capotes. E decidi que iria doá-los a quem tivesse reais condições de criá-los. Lembrei-me de Ronaldo, um concunhado meu. Em sua chácara no Eusébio, Ronaldo criava muitos tipos de aves (inclusive capotes).
Ele concordou em ser o fiel depositários dos meus capotes, embora me alertasse para uma certa dificuldade. Para trazê-las, eu teria antes de capturá-los. "No sertão, eles pegam esses bichos para a panela é com tiros."
De fato, eles eram muito mais velozes do que eu havia calculado. Em campo aberto, nem com o Usain Bolt me ajudando aquela captura teria sido possível. Então, montei um plano com a casinha de cachorro do quintal no centro da estratégia. E persegui os capotes até que estes buscassem refúgio no pequeno cômodo transformado em armadilha. Tranquei o portão. e aí ficou fácil.
Deixados no Eusébio, não me perguntem agora como os capotes estão. Pelo tempo em que essa história se passou, não devem mais estar vivos. Mas desconfio que eles não devem ter morrido de morte natural.
N.A. -- Acredito que também teria resolvido o problema com a técnica mostrada no vídeo abaixo.

Original: LT, 27/05/2018

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

RESPINGOS NA MEMÓRIA

1
De todos os bens, o guarda-chuva é certamente o mais esquecível.
Mas...
O que indica o frequente esquecimento deste bem pelo proprietário?
Pode ser o desejo que a pessoa tem de que não chova mais. Pode ser a tendência ao risco ("quem sai na chuva é pra se molhar"). Ou pode ser a vontade de voltar ao tempo intra-uterino, quando tudo era molhado. Esta última, que apela para a figura materna, trata-se de uma explicação freudiana.
☂ Nunca deixe seu guarda-chuva para trás!
2
Um homem puxa conversa com outro:
- Creio que já nos conhecemos...
- Não me lembro.
- Pois tenho certeza de que já fomos apresentados. Faz um mês, mais ou menos.
- E como me reconheceu?
- Pelo guarda-chuva.
- Mas, nessa época, eu não tinha guarda-chuva.
- Realmente, mas eu tinha...
3
Em 1836, estava previsto um eclipse lunar total que Gauss prometeu mostrá-lo, através do telescópio de seu observatório, ao amigo Ribbentrop, um professor de direito licenciado.
Embora estivesse caindo um toró naquela noite, o excêntrico e desligado amigo apareceu.
Gauss explicou que a observação do eclipse tinha-se tornado impossível, mas Ribbentrop respondeu: "Não, eu trouxe o meu guarda-chuva."
4
Related imageUma dama britânica disse certa vez que, se chegam visitas inesperadas a sua casa, ela rapidamente pega o chapéu e o guarda-chuva. Caso a pessoa que acaba de chegar for do seu agrado, ela diz: "Ah, que bom, eu também acabei de chegar!". Mas se a visita é de alguém inoportuno, ela diz: "É uma pena que eu precise sair".
5
Fique seco!
Para evitar que as pessoas percam seus guardiões da chuva, uma empresa lançou um guarda-chuva com alerta de esquecimento.
É o Davek Alert Umbrella, o guarda-chuva de alta tecnologia que você não pode perder.
Além de forte e elegante, este guarda-chuva incorpora a avançada tecnologia Loss Alert. Que permite transmitir, através de um pequeno chip embutido na alça, um "sinal de proximidade" a seu smartphone. Este sinal é lido por um aplicativo no smartphone que pode rastrear a distância entre o telefone e o guarda-chuva. Se a distância exceder os 10 metros o guarda-chuva enviará um alerta sutil para o seu telefone.
(nota não patrocinada)

domingo, 30 de dezembro de 2018

O CORRETOR AUTOMÁTICO DE TEXTO

O corretor automático tem seus pontos fracos bem documentados, mas ele é muito bom para transformar os termos sem sentido que você digita no computador em algo compreensível. E, por isso, temos que agradecer a um homem chamado Bill Vignola.
O corretor automático, no início, tinha problemas com os palavrões. E a Microsoft não podia sugerir ao usuário a palavra "motherfucker", por exemplo! Então, a tarefa de extirpar as palavras vulgares do dicionário esteve nas mãos de Christopher Thorpe, na época um estagiário de 19 anos.
1
Como Thorpe diz à Wired, tudo foi inspirado por um cara que enviou um e-mail a Bill Gates reclamando que seu sobrenome era corrigido para algo, digamos, anatômico. Sempre que Bill Vignola digitava seu próprio nome no MS Word, explicava o e-mail para Gates, ele era automaticamente alterado para Bill Vaginal. Acredita-se que Vignola notou isso às vezes, mas não sempre… Seu e-mail passou pela cadeia de comando até chegar a Thorpe. E Bill Vaginal não foi o único a reclamar: Thorpe lembra que o banco Goldman Sachs estava irritado, pois o Word alterava o nome para "Goddamn Sachs" (Maldito Sachs).
[https://gizmodo.uol.com.br/criador-corretor-automatico/]
2
Dizem que eu não gosto dos computadores, mas são os computadores que não gostam de mim. Um dia uma moça foi me ajudar com um trabalho e levou um computador. Agora eles têm um recurso que corrige palavras. Então a moça foi digitar meu nome. Meu nome completo é Ariano Vilar Suassuna. "Ariano" passou sem problemas. Aí, quando a moça digitou "Vilar", o computador sugeriu "Vilão". E "Suassuna", talvez pelo número de "esses", virou "Assassino"! "Ariano Vilão Assassino"! É por isso que eu digo, são os computadores que não gostam de mim...
– Ariano Suassuna, em uma entrevista no "Programa do Jô".
[https://blogdopg.blogspot.com/2007/06/ariano-e-os-computadores.html]
3
Escrevia-se a autobiografia de um modo absolutamente solitário - sem a "peruação" de estranhos. Os originais eram escritos à pena (molhando o bico na tinta frequentemente), com a caneta ou numa máquina de escrever.
Mas isso, antigamente.
Hoje, sabe o que acontece quando alguém mal começa a digitar a autobiografia?
 O Clippy aparece!
[http://blogdopg.blogspot.com/2011/11/autobiografia.html]
4
Lembrando Clippy...
"Como é que eu não sei sobre isso? Eu perdi Clippy (por razões óbvias), e nunca entendi o ódio que algumas pessoas tinham por ele (ela? Eu não sou muito bom em sexagem de clipes)." ~ Linus Torvalds
Os nostálgicos podem agora adicionar Clippy (ou qualquer um de seus amigos) em suas páginas na internet. Clippy me passou seu endereço, o do "retiro dos artistas" em que ele curte seu ócio com dignidade.
[https://www.smore.com/clippy-js]
Original: EM, 26/10/2018

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

INFINITUDES

Ninguém realmente sabe o que é o infinito. Ele incomoda físicos e já levou matemáticos para o hospício, mas é fundamental para entender o mundo.

o infinitamente pequeno
tem o mesmo direito à existência que
o infinitamente grande

Existe diferença entre o infinitamente grande e o infinitamente pequeno?
Sim, e é uma diferença praticamente infinita. O infinitamente grande tende ao infinito, enquanto o infinitamente pequeno tende a zero, embora ambos sejam infinitamente imensuráveis. Matematicamente, o primeiro é simplesmente infinito, e o segundo seria 1 dividido por infinito. Um tratamento possível de coisas infinitamente pequenas foi descoberto com a invenção do cálculo, por Isaac Newton e Gottfried Leibniz. Já o tratamento de números infinitamente grandes ganhou força depois de Cantor.
In: Infinito, esse troço que não acaba, de Salvador Nogueira
=================================================
30/08/17, 7h - Em resposta a @EntreMentes:
"A matéria e as forças se expandem no universo infinito, onde nossa lógica antropomórfica não alcança e isto nos é indiferente." - Panta Rhei.
30/08/17, 17h - Em resposta a todos:
Panta Rhei foi Heráclito, o Obscuro. Em algum momento da antiguidade, ele adquiriu este epíteto porque seus ensinamentos eram "incompreensíveis".
Heráclito era conhecido por sua insistência na mudança como sendo a essência fundamental do universo. [1] [2]
"Ninguém entra duas vezes no mesmo blog. Tudo flui." - @EntreMentes
06/09/17, 2h - Em resposta a resposta a todos:
"Se eu sou algo incompreensível, meu Deus é mais." - Gilberto Gil
Original: EM, 29/08/2017

terça-feira, 30 de outubro de 2018

CRIAÇÃO

Da Terra
Ainda que eu seja um darwinista convicto não deixo de ficar maravilhado com esta versão criacionista da Terra segundo o cartunista Gary Larson.

Original: EM, 21/02/2008
Dos bichos
DEUS: Quantos animais ainda tenho que fazer?
ANJO: Dois.
DEUS: E quantas pernas ainda temos?
ANJO: Cem.
CENTOPEIA: Legal.
SERPENTE: Droga.
Ler também:
A PRIMEIRA CIRURGIA DO MUNDO
Pós-criação
Deus delegou a Adão a responsabilidade de dar nomes aos bois e aos bichos em geral.
Então, Adão saiu por aí dando os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo.
Gênesis 2:20
Alguns vieram à mente do primeiro homem com certa facilidade. O nome da rã, por exemplo. Outros, nem tanto, dentre estes os nomes para o hipopótamo e o ornitorrinco.
Adão levou seis dias para concluir o nomeamento, e no sétimo descansou.
Deus gostou do que viu e, meio que sondando, comentou que Adão seria a pessoa mais indicada para designar os animais pelos nomes científicos.
Adão não gostou do que ouviu e tratou logo de arranjar uma boa desculpa. Não ser fluente em latim, lhe pareceu a melhor. Sabe Deus, a primeira flor do Lácio não é para já. Deixemos com Lineu para começar essa taxonomia etc. ~ PGCS
Original: EM, 28/09/2018

domingo, 30 de setembro de 2018

O POETA CARIMBADOR

Vou chamá-lo de Carimbador Poeta, em alusão ao "Carimbador Maluco", do roqueiro Raulzito. Não fosse a citada referência, melhor seria inverter a ordem dos termos para chamá-lo de Poeta Carimbador.
Ele foi uma dessas pessoas que eu vi somente uma vez na vida. Como muitas outras, aliás.
Sentou-se à mesa em que eu estava no Estoril, onde eu batia ponto nas noites de sexta-feira, (*) e declarou-se um outsider. Em seguida, da surrada mochila que trazia consigo, ele sacou algo que eu não identifiquei de imediato o que seria.
Seria um livro? Era.
Tinha uma capa de papelão preto, em que se lia AQUI ESTOU DEVAGAR SE ATROPELA COM CARINHO, e o formato quase quadrado.
Pus-me a folhear o livrinho que, entre outras esquisitices, continha folhas de diferentes qualidades que se alternavam.
Era um livro de micropoemas.
O prefácio como que a traduzir o espírito do autor:
Quando me perguntam / como é que eu estou / respondo que estou bem / no meio da confusão / com um olho na polícia / e outro no ladrão.
Uma particularidade: o livro não era o produto de uma gráfica convencional. Nem de um mimeógrafo, o invento de Thomas Edison em 1876 que, tempos depois, deu sustentação a uma geração de poetas marginais no Brasil.
Strictu sensu, o poeta não pertencia à geração mimeógrafo. Daí aqueles poemas e ilustrações terem sido impressos por uma equipe de colaboradores... com carimbos!
E o preço?
Uma pechincha. Sem entrar no mérito do conteúdo, só pela originalidade.
Guardo até hoje o meu exemplar autografado. É o 161/250. No qual encontrei os nomes de quem versejou, programou, carimbou e recitou-o em via pública.
Moral da história - O Estoril era uma festa.
(*) Onde andam Sitonho, Alemão e Baleia, o expedito trio de garçons do Estoril?
FICHA TÉCNICA
POETA Carlos Erre Vaz
PROGRAMADOR GRÁFICO VISUAL Parrote
CARIMBOS Dulcemira Ltda.. Rua Aurora, 182
TIPÓGRAFO DI Guilherme
CARIMBADORES Parrote, Edson, Selma e Carlos
RECITAIS DE RUA Selma Bustamante e Carlos
São Paulo, Fim de 1982
Original: LT, 12/08/2018

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

QUADROS

1
Sobre o quadro Poeta, de Leon Girardet:
É uma cena romântica: um rio (ou será um lago?), um barco, um poeta e três raparigas em flor. O poeta faz um recital dos últimos poemas que escreveu. Cada uma das moças deve se imaginar a própria musa inspiradora de um, vários, muitos desses poemas... Até de todos, se uma delas for bisavó da Luana Piovani.
A propósito, não é uma cena contemporânea. O figurino das pessoas mostra que não pertencem ao nosso tempo. O bardo mantém uma distância respeitosa das três raparigas, que se acotovelam num dos cantos da embarcação. A qual, por sua vez, está quase encalhada no capim aquático.
Mas... há remos no barco à espera de braços dispostos. Não se faça de rogado, meu poeta. Está a terminar a leitura do livro em suas mãos, agora é empunhar os remos. E levar o barco, as moças, a si próprio para novas paisagens. Onde o enlevo, o encanto, o arrebatamento, tudo é feito sem palavras.
Sim, faça isto. Embarcou: tem de remar. Para não ser depois recomendado à Sociedade dos Poetas Mortos nas Calças.
Original: EM, 22/06/2007
2
Sobre o quadro The Son of Man, de Rene Magritte:
Este é provavelmente um dos quadros mais famosos do pintor surrealista.
Ele definiu-o desta forma:
"Tudo o que vemos esconde outra coisa, e nós queremos sempre ver o que está escondido pelo que vemos."
O que está escondido pelo que vemos?
Resposta: O Filho do Bruxo
Original: EM, 27/01/2013
3
Sobre o quadro Mona Lisa, de Leonardo da Vinci:
Um perito de arte fez publicar que não é a verdadeira Mona Lisa que está exposta no Louvre. É apenas a pintura para a qual ela posou.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

SISTEMA MÉTRICO

É um sistema de medição internacional decimalizado, que surgiu pela primeira vez na França, durante a Revolução Francesa, em virtude da dificuldade de funcionamento do comércio e da indústria devido à existência de diversos padrões de medida.
No sistema métrico, ou Sistema Internacional de Unidades, um mililitro de água ocupa um centímetro cúbico, pesa um grama e requer uma caloria de energia para aquecer um grau centigrado - o que é 1 por cento da diferença entre seu ponto de congelamento e seu ponto de ebulição. Enquanto, no sistema americano, a resposta para "Quanta energia é necessária para ferver um galão de água que se encontra à temperatura ambiente?" é "Foda-se", porque você não pode relacionar diretamente nenhuma destas unidades. ~ Josh Bazell.
Em 1962, o Brasil emitiu um selo de 100 cruzeiros comemorativo dos 100 anos do sistema métrico no País.
Países não métricos
Você pode nomear dois países que ainda não adotaram o sistema métrico?
De acordo com o The World Factbook, publicado pela Central Intelligence Agency (CIA), o Sistema Internacional de Unidades é o sistema oficial de medidas para todas as nações do mundo, com exceção de Mianmar, Libéria e Estados Unidos. Algumas fontes, no entanto, identificam a Libéria como um país métrico.
Russ Rowlett opina que "os EUA adotaram o sistema métrico em 1866. O que os EUA não conseguiram fazer foi restringir ou proibir o uso de suas unidades tradicionais em áreas que tocam o cidadão comum: construção, transações imobiliárias, comércio varejista e educação".
Para melhor ou para pior, os Estados Unidos continuam sendo um dos dois ou três países que não adotaram oficialmente o sistema métrico. No entanto, a recusa dos Estados Unidos a adotar este sistema não foi por falta de insistência.
Em 1975, o Congresso aprovou a Lei da Conversão Métrica (Metric Conversion Act), que declarou o sistema métrico como o sistema preferencial dos Estados Unidos, e o Conselho Métrico (U.S. Metric Board) foi criado para implantar esta conversão. No entanto, a experiência métrica dos Estados Unidos provou ser de curta duração. Como seria de esperar, muitos motoristas se confundiam com as alterações nas placas, e cogitaram em substituí-las por aquelas em que as distâncias eram indicadas pelas unidades de medida anteriores. E a Lei de Conversão Métrica e o Conselho Métrico foram desmantelados apenas sete anos depois de terem sido criados.
Cerca de 40 anos mais tarde, o país continua comprometido com o seu padrão habitual de medição.
Como é gostoso dirigir em quilômetros
Em consonância com a ideia da conversão, as placas de trânsito da rodovia Interestadual 19, que liga Tucson, Arizona, ao México, foram à época alteradas para que as distâncias fossem mostradas apenas em quilômetros.
Felizmente, a estrada foi capaz de preservar sua identidade única, graças aos esforços dos moradores da região que não queriam prejudicar seus negócios. O que, presumivelmente, aconteceria com a perda da singularidade da rodovia I-19. Assim é que ela permanece, até hoje, como a única estrada nos EUA em que as distâncias são indicadas aos motoristas unicamente em quilômetros.
No entanto, se você estiver disposto a esquecer as milhas, pegue a Interestadual 19 só para ver como é gostoso dirigir em quilômetros.
Depois de uma tentativa de curta duração nos EUA para alinhar o país com o resto do mundo, esta estrada (I-19) foi deixada no sistema métrico
Um processo mnemônico para o sistema métrico

Webgrafia
http://blogdopg.blogspot.com.br/2016/01/como-e-gostoso-dirigir-em-quilometros.html
http://blogdopg.blogspot.com.br/2017/11/como-e-pratico-o-sistema-metrico.html
https://alessandrorossini.org/tag/metric-units/
http://www.atlasobscura.com/places/i19-americas-only-metric-interstate

sábado, 30 de junho de 2018

TERRA: O PLANETA E O MITO

Desde que o mito da Terra Plana foi desacreditado pelo matemático Eratóstenes, [1] [2] pelas circum-navegações  náuticas, pelos voos aeronáuticos, pelas viagens espaciais e pelas pesquisas da Estação Espacial Internacional, os terraplanistas foram ficando sem chão.
Resta-lhes agora o argumento de que se a Terra fosse redonda seria uma "redondeta" e não um planeta. Vamos e venhamos, é muito pouco para a STP, uma sociedade que ainda tem uma grande número de adeptos ao redor da Terra. [3]
En seu favor, a Sociedade da Terra Plana também dispõe desta imagem de um eclipse lunar em que a Terra projeta sua sombra na Lua. A sombra de um disco.
Além disso, a foto mostra que a Terra é sustentada por elefantes, e estes, por sua vez, vivem sobre o casco de uma enorme tartaruga, como descreviam os antigos.
O que estaria a pensar este quelônio?
Por que, sendo eu uma criatura do espaço, tenho patas para nadar? Por que há elefantes em minhas costas e mais esta rocha monstruosa? Preciso me acasalar, onde é que estão as outras tartarugas do espaço?
Do outro lado, o que estariam a pensar os terraplanistas?
Será que alguns deles, depois de uma passagem pela Terra Oca, já embarcaram na hipótese da Terra Cúbica? [4]
Pois bem, um flatearther está prestes a embarcar num foguete artesanal para pôr tudo em discos limpos. Na verdade, eles não acreditam mais naquela história que envolve elefantes e tartaruga. Para eles, o Sol e a Lua movem-se em órbitas circulares acima da superfície da Terra Plana. Como abutres em torno da comida (não gosto desta imagem).
Para eles, o Polo Norte fica no centro da Terra Plana e o Polo Sul é a sua borda de catupiry. Assim como está no brasão da ONU.
Gente,
Por falar em ONU, precisamos acabar com essa guerra milenar contra os terrraplanistas.
Você conhece um deles? Então, dê-lhe as boas vindas ao "realvorecer da Idade da Pedra" e estenda a mão para ele. Que mal pode haver nisso?
Original: EM, 11/05/2018

quarta-feira, 30 de maio de 2018

AUTORRETRATO FALADO

Ainda não tirei aquela fotografia com uma fita métrica ao fundo. Mas, asseguro-lhes, minha estatura não é alta. Aliás, é baixa - e com viés de baixa pelo fator idade. Também fui baixo no Coral Universitário.
Quanto ao peso, segundo o IMC, estou com sobrepeso. O que vem me dificultando manter a insustentável leveza do ser.
Cabelo estilo Elis Regina. Já tive grandes costeletas para provar que Elvis não morreu. Faço barba e bigode exatamente nestes.
Olhos: castanhos, de encantos tamanhos (como diz o fado), e que abrigam lentes implantadas; sob eles, bolsas de gordura que não aprenderam seu lugar com a cirurgia plástica.
Sobrancelhas que não se juntam na linha média. Ainda bem, pois eu não gostaria de ser um monobrow.
Nariz fino, meio inadequado para apoiar os óculos. Tenho estes numa versão para o dia e noutra para a noite, usadas na base do tanto faz.
Orelhas: de abano na infância, beneficiadas pela correção espontânea. O que contraria a ordem natural dos petelecos já levados.
Lábios: finos e sem herpes.
Rugas atribuídas à idade e à gravidade. As rugas, como disse o sambista, fizeram residência no meu rosto, não choro para ninguém me ver sofrer de desgosto.
Pescoço curto. Mas que dá para passar uma gravata.
Tórax pilífero.
Ombros resolutos que desafiam bursites.
Mãos pequenas. Unhas periodicamente limpas, quando as corto bem rentes. Não compactuo com suas mentiras.
De modo indevido, já ostento a tal barriga da prosperidade. Em sua parte inferior, a barriga se afunila em uma espécie de apêndice. Cabisbaixo ou não, ele pende sempre para a esquerda.
Pernas algo arqueadas para quê, meu deus, se não vou entrar num saloon.
Calçando 38, duplo (quero dizer, nos dois pés).
Sem sinais particulares. Bem, no flanco esquerdo, eu tinha um sinal que, ao perder a minha estima, mandei um cirurgião amigo retirar. Só tornaremos a nos encontrar no Dia do Juízo Final. (Não, não é com o cirurgião que eu vou me encontrar.)
Original: EM, 25/09/2015

segunda-feira, 30 de abril de 2018

SEXTA-FEIRA 13

A afinidade da sexta-feira com o dia 13
"A ciência é a maneira de entender a realidade com a mínima crença." - Jorge Vagensberg
Nick Berry diz que o 13º dia do mês é mais provável acontecer numa sexta-feira do que em qualquer outro dia da semana.
O gráfico abaixo mostra a frequência deste fenômeno nos últimos 400 anos.
Como pode ser isso?
Em um show de aritmética e astronomia, Nick Berry explica por que se dá essa afinidade do dia 13 (e dos dias 6, 20 e 27) com a sexta-feira.
Mas para ver como é a explicação, você tem de ir ao site DataGenetics.
Quanto ao 13, não há nada de azarado com ele, é apenas um número.
E as pessoas não sofrem de má sorte durante o dia 13. Sofrem de um termo descrito pelos psicólogos como amnésia seletiva.
O que isto significa?
Que as pessoas só se lembram dos eventos que correspondem e reforçam suas crenças. Por outro lado, seus cérebros ignoram ou desfocam os eventos que conflitam com elas.
Curiosidade - O calendário gregoriano foi, na verdade, proposto por Aloysius Lilius, um médico de Nápoles.
Original: EM, 13/06/2014
O empirismo da má sorte
Estudo
Tendo em conta que hoje é sexta-feira 13, é, portanto, o melhor momento para examinar a questão de saber se os resultados socioeconômicos das pessoas nascidas no dia 13 do mês e daquelas nascidas na sexta-feira 13 diferem dos resultados das pessoas nascidas em dias mais auspiciosos.
Os pesquisadores Dr. Jan Fidrmuc e Dr. Juan De Dios Tena Horrillo realizaram um dos raros estudos em grande escala que tenta esclarecer o assunto.
"Nós investigamos o assunto em questão usando o UK Labor Force Survey  (LFS), uma pesquisa trimestral nacionalmente representativa das famílias em todo o Reino Unido. A cada trimestre, o Office for National Statistics (ONS) entrevistou cerca de 60 mil domicílios, com mais de 100 mil respondentes individuais com idades entre 16 anos e mais. Nós usamos dados de 1999 a 2011, o que nos deu cerca de 3,9 milhões de observações."
Resultados
Os nascidos no dia 13 ou na sexta-feira 13 não precisam perder muito sono sobre as circunstâncias desfavoráveis ​​de seu nascimento.
"Encontramos pouca evidência de que ter nascido num dia 13 ou numa sexta-feira 13 esteja  associado dramaticamente com piores resultados no mercado de trabalho ou no casamento. Nossos resultados indicam um pequeno aumento na probabilidade de que os homens nascidos no dia 13 estejam empregados e uma pequena diminuição na probabilidade de que eles permaneçam solteiros."
Os autores deixam para o leitor decidir se ficar solteiro é boa ou má sorte.
O documento pode ser lido aqui, na íntegra, Friday the 13th: The Empirics of Bad Luck (in: Kyklos, Volume 68, edição 3, páginas 317-334, Agosto de 2015).
Via Improbable Research, edição de 13 de maio de 2016.
Original: EM, 13/01/2017
Uma superstição a menos
"Eu costumava ter esta superstição com a sexta-feira 13, mas ouvi dizer que dava azar, então parei!"

sexta-feira, 30 de março de 2018

O BLOQUEIO DO ESCRITOR

1
É o fenômeno psicológico pelo qual um escritor profissional perde a inspiração, o fluxo criativo e, como consequência, a capacidade de escrever. Este bloqueio pode levar horas, dias, semanas ou meses e, em casos extremos, anos ou até o resto da vida, o que tem levado alguns escritores ao afastamento de suas atividades.
As razões para isso não são totalmente claras, mas acredita-se que responde a diferentes fatores psicológicos, tais como a tensão e a depressão, ou ligados a problemas pessoais. Alguns acreditam que o bloqueio ocorre quando o escritor sofre distrações frequentes e precisa isolar-se por um tempo. Outros argumentam que, quando um escritor publica livros bem sucedidos e premiados, passa a ter dificuldades para continuar a escrever com medo de não manter o nível de sua obra.
Neste link que remete o leitor ao Journal of Applied Behavior Analysis (JABA) há um interessante artigo de Dennis Upper, intitulado The Unsuccessful Self-Treatment of a Case of “Writer’s Block” (O Fracassado Auto-Tratamento de um Caso de “Bloqueio do Escritor”). Pode ser lido de uma assentada, visto que o artigo completo (43K) apresenta conteúdo vazio (alguém já disse mais com menos palavras?). Resume-se ao título, mas já foi citado 60 vezes.
O artigo foi publicado – sem revisão – com este entusiasmado comentário do Revisor A:
Eu estudei cuidadosamente este manuscrito, com suco de limão e raios-X, não detectando um só defeito no projeto ou no estilo da apresentação. Sugiro ser publicado sem revisão.
Não é uma réplica ao artigo, é só um comunicado: Esses bloqueios eu resolvo sempre com o Google e a Wikipédia.
Original: EM, 08/08/2014
2
"Se eu esperasse a perfeição, eu nunca escreveria uma palavra." ~ Margareth Atwood
Um diálogo
Vou me matar.
Por que isso, companheiro?
Nenhuma ideia nova... Não consigo escrever nada...
Ora, tente mais um pouco.
Não vai adiantar. É bloqueio do escritor.
Então, está esperando o quê?
Eu não sei o que colocar em minha carta de suicídio.
A solução é protestar
Original: Em, 01/01/2015
3
Se você tem algo para terminar: um ensaio, uma carta, esta novela - e você não consegue terminá-lo no devido tempo, você pode acabar no Writers' Block.
Em uma prisão para escritores criminosos pobres, este curta-metragem de animação da Wonky Films mostra os infortúnios de uma gangue interna que, controlando o roteiro de suas próprias vidas, tenta reescrevê-lo para fugir.
Original EM, 19/01/2018

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

FARINHA DE MANDIOCA

"... o primeiro elemento de adaptação, acomodação e de conquista do português." ~ Célia Corsino

Provérbios
Sábado de aleluia, carne no prato, farinha na cuia.
Não há carne sem osso nem farinha sem caroço.
Farinha pouca, meu pirão primeiro.

Não é só na memória afetiva dos brasileiros que a mandioca é importante – dela, Jorge Amado escreveu em seu "Navegação de Cabotagem": "onde quer que esteja levo o Brasil comigo mas, ai de mim, não levo farinha de mandioca e sinto falta todos os dias, ao almoço e ao jantar". [1]

"Comida de pobre é farinha: engrossa o que está fino, esfria o que está quente e aumenta o que está pouco." ~ Otacílio Correia. [2]

Em 1817, na “Revolução dos Padres”, em Pernambuco, eles deixaram de fazer hóstias de trigo para fazê-las com tapioca. Mandioca, portanto. [3]

O Brasil não está fora do hábito da entomofagia. Na Serra da Ibiapaba, no Ceará, por exemplo, há pessoas que destacam as "bundas" das formigas tanajuras (fêmeas aladas das saúvas, que aparecem em grande quantidade no início da estação chuvosa e que são capturadas) para fritá-las, misturá-las com farinha de mandioca e... comê-las! [4]

Diálogo [5]
— Gosta de mulher?
— Muito.
— E de farinha?
— Vixe!!!

Diálogo [6]
Cearense vivia em uma ilha deserta há dez anos.
Um dia aparece uma estupenda loura, com roupa de mergulho, que vai até ele e diz.
Quanto tempo faz que você não fuma um cigarro?
Dez anos!
Ela abre um bolso impermeável de sua roupa, de onde tira um maço de cigarros. Cearense pega um, acende, dá uma tragada e diz:
Aí sim!
Ela pergunta:
Há quanto tempo  você não bebe um uísque?
Dez anos!
Ela abre outro bolso, tira um frasco de uísque e lhe entrega. Cearense toma um longo gole e diz:
Bom demais!
Então, ela começa a abrir o zíper da roupa de mergulho e pergunta:
Há quanto tempo você não come o que mais gosta?
Fresque, não. Quer dizer que você tem farinha aí dentro?

"Pererê não come nada sem farinha." ~ Ivete Sangalo [7]

:-( Mas a sorte desandou /Quando eu cheguei a Alagoinha / Bexiga deu na nega / Catapora na filhinha / Morreu o meu tatu-bola / Filho do tatu-bolinha / Roubaram o meu facão / Com todo o aço que tinha / Vinte couros de boi manso / Só no bocal da bainha / Morreu minha capoeira / Das quatrocentas galinhas / Gorgulho deu no feijão, colega / E mofo deu na farinha. ~ Dorival Caymmi ou domínio público [8]

Canto de capoeira
"Ô Inácio, ô Inácio
Mulher casa não come
Farinha do mesmo dia
Se ela come, ela morre
E seu filho não se cria." [9]

[1] http://www.tijolaco.com.br/blog/mandioca-e-os-idiotas/
[2] http://blogdopg.blogspot.com.br/2013/07/farinha.html
[3] http://www.folhape.com.br/noticias/noticias/especial/2017/03/06/NWS,19975,70,563,NOTICIAS,2190-O-PAO-TRIGO-FOI-SUBSTITUIDO-PELA-TAPIOCA-VINHO-PELA-CACHACA.aspx
[4] http://blogdopg.blogspot.com.br/2008/08/entomofagia.html
[5] http://blogdopg.blogspot.com.br/2017/10/quatro-antonios.html
[6] http://issuu.com/shadown21/docs/jornal_dez2017
[7] http://pt.wikipedia.org/wiki/Perer%C3%AA
[8] http://blogdopg.blogspot.com.br/2014/08/fiz-uma-viagem.html
[9] http://www20.opovo.com.br/app/opovo/vidaearte/2014/10/04/noticiasjornalvidaearte,3325103/notas-politicas.shtml

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

PÉROLAS PARA POUCOS

Pérola de sururu
À relação dos moluscos formadores de pérolas (mexilhões, amêijoas e principalmente ostras) devemos acrescentar também o sururu. A partir da experiência por que passou o genealogista e historiador Ormuz Simonetti ao se deliciar com um caldo de sururu. 
Bem, deixemos que ele mesmo descreva como encontrou esta pérola.
Original: Linha do Tempo, 20/05/2011
Quanto custa uma pérola de sururu?
(respondendo a uma pergunta de Kaka Andrade)
Kaka,
A pérola sempre foi muito apreciada ao longo da história da humanidade.
Um exemplo disso foi o fato de que, no apogeu do Império Romano, quando a febre das pérolas estava no auge, Júlio César, conhecido por suas conquistas amorosas, ofereceu a Servília Cepião uma pérola no valor de seis milhões de sestércios.
Uma pérola de ostra, Kaka. Irritada com um cisco na algibeira, uma ostra gerou aquela pérola maravilhosa para Servília Cepião.
Fosse uma pérola de sururu não teria aberto o caminho do sucesso para Júlio César. Nem as pernas da cortesã.
Quem foi ela:
Servília Cepião foi uma patrícia romana, [carece de fontes] descendente de Caio Servílio Ahala, [carece de fontes] amante de Júlio César, esposa de Décimo Júnio Silano [carece de fontes] e de Marco Júnio Bruto, o Velho, [carece de fontes] com quem teve Bruto. [carece de fontes],
Ela era também irmã de Quinto Servílio Cepião [carece de fontes] e meio-irmã de Marco Pórcio Catão Uticense (Catão, o Jovem) [carece de fontes] e Pórcia Catão. [carece de fontes]
Sua filha, [carece de fontes] Júnia Segunda, meio-irmã de Bruto, foi casada com o triúnviro Lépido [carece de fontes], com quem teve um filho, Marco Emílio Lépido Menor, [carece de fontes] executado por planejar o assassinato de Otaviano. [carece de fontes]
Outra filha, [carece de fontes] Júnia Tércia, meio-irmã de Marco Júnio Bruto [carece de fontes] e sobrinha de Catão, o Jovem, casou-se com o senador Caio Cássio Longino. [carece de fontes]
Marco Júnio Bruto e Caio Cássio Longino foram os assassinos [não carece de fontes] de Júlio César.
Original: EntreMentes, 21/12/2016
Testes para pérolas
P - Como saber se uma pérola é verdadeira?
Imergindo-a em vinagre de vinho branco! O vinagre tem de 5 a 7% de ácido acético, uma concentração suficiente para corroer o carbonato de cálcio, mas não o plástico. Então, se ela é uma pérola verdadeira vai se dissolver. Mas se é falsa, ela permanecerá intacta.
P - Pergunto-me se a acetona dissolveria uma pérola de verdade.
É altamente duvidoso que isto possa acontecer. O carbonato de cálcio é pouco solúvel em água e ainda menos solúvel em acetona.
Eu trabalho com pérolas e acetona. É uma regra de ouro que você não deve usar acetona em uma pérola porque tende a corroer o brilho. Pérolas são a última coisa que você deve pôr antes de sair de casa (depois do perfume, maquiagem, spray de cabelo etc.) e a primeira coisa que você deve tirar quando voltar para casa.
Você pode facilmente determinar se um ovo Fabergé é verdadeiro por esmagamento. Os falsos não se quebram como o legítimo Fabergé.
Quando eu era criança, minha mãe gostava de me enganar. Estávamos comendo peixes, e ela me mostrou uma pequena bola branca dizendo "Olha, eu encontrei um pérola em meu peixe". Só mais tarde eu descobri que era apenas um olho de peixe. Gostaria de saber se existe uma dica a respeito disto.
Em 1969, a atriz Elizabeth Taylor ganhou de seu então marido, o ator Richard Burton, uma pérola de 37 mil dólares que veio a perder. A pérola foi depois encontrada no estômago de seu cachorro.
P - Como recuperar a pérola após o seu teste destrutivo?
Se você deixar que o vinagre se evapore naturalmente a pérola ressurgirá, assim penso.
Bon mot: "A arte nasce da dor como a pérola." ~ Monteiro Lobato
Original: EntreMentes, 12/01/2018

sábado, 30 de dezembro de 2017

MELANCIA & CIA

Dormindo com a melancia
Quando muitos estudantes universitários em Guangdong, China, se preparavam para enfrentar um longo verão – sem ar condicionado – no campus, uma antiga tradição local foi reavivada: dormir com uma melancia. Tudo começou depois que uma postagem de um microblog, divulgando que dormir com um pedaço da fruta pode reduzir a temperatura corporal por 3 ℃, se tornou viral.
Como as universidades de Guangdong não oferecem ar condicionado nos dormitórios, isso fez com que muitos de seus alunos buscassem formas alternativas de resfriamento.
A. Tingzi , um estudante da Universidade de Tecnologia publicou que dormir segurando uma melancia foi um ótimo substituto para o ar condicionado. Enquanto isso, Zhang Xuefeng, um estudante da Universidade de Estudos Estrangeiros, postou uma foto de si mesmo abraçado a uma melancia.
Dormindo com uma melancia, Changjiang Daily
O Changjiang Daily fez sua própria "pesquisa". Um repórter do jornal agarrou-se a uma melancia de 4,6 kg por cerca de uma hora, e eis que a temperatura do seu corpo diminuiu de 36,2 para 33,6 ℃.
N. do E.
No Brasil, não existem ainda pesquisas que validem os resultados chineses. Desconfio que o pessoal aqui está mais interessado em se aquecer com a Mulher Melancia (durante o inverno).
Original: EM, 18/09/2014
Uma cena forte com a Mulher Melancia
Salte esta se você é muito sensível a cenas de violência.
Original: EM, 26/04/2015
A melancia em testes
A identificação do amadurecimento da melancia por sua aparência, tamanho ou cor da casca é muito difícil. O método comum subjetivo é geralmente baseado no som produzido por uma percussão aplicada na fruta. Este método, porém, é propenso a erros por fatores humanos. Pode ser uma boa maneira apenas para pessoas com muita experiência em sua execução. Por isso, pesquisadores estudam novos métodos acústicos para avaliar o grau de amadurecimento da melancia.
No Improbable Research, há a citação de três destes novos testes científicos: dois realizados na Coreia do Sul e um no Irã.
Original: EM, 18/11/2017
Não confunda
Melancolia profunda com melancia na bunda.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

DR. CARTA PÁCIO E O SISTEMA DE TARIFAÇÃO DAS CARTAS

Recebo outra carta do Dr. Carta Pácio. Acho que ele está legislando em causa própria.

Meu prezado senhor,
É sabido que os selos surgiram na Inglaterra, em 1840, como uma necessidade de tarifar correspondências. Quem pagava pelo envio era o destinatário que, em diversos casos, se recusava a fazê-lo causando prejuízos às empresas de entrega. Para solucionar os desencontros, o professor Rowland Hill elaborou uma proposta: o valor seria cobrado na hora da postagem e comprovado o pagamento por um pequeno papel colado ao envelope – o selo postal.
O que proponho é uma volta à origem.
Os selos voltariam a ser pagos pelo destinatário.
Somente no caso de o destinatário não aceitar a cobrança é que, retornando a carta para o remetente, este pagaria em dobro. Os Correios não perderiam nada.

Fui curto e grosso:
Mande suas próximas cartas pelos pombos do seu quintal. Não vou pagar nada que venha por este novo velho sistema de tarifação. E fique tranquilo que seus pombos retornarão a seus pombais levando minhas respostas especialmente as desaforadas, pois eles são inigualáveis nesta função postal.
Original: EM, 09/07/2017

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

DR. CARTA PÁCIO E OS POMBOS

Esse Dr. Carta Pácio, sempre inovando. Para me mandar sua última carta, dispensou o serviço dos Correios e apelou para um pombo-correio.
Prezado Sr.,
Espero que esta carta que atei à perna de um disposto columbídeo chegue até o senhor. Os pombos possuem o melhor sentido de orientação de todas as aves. E, sendo parte interessada no assunto que escrevo, um representante deles não vai certamente falhar na missão.
Para início de conversa, espero que esta carta chegue aí em bom estado. Significando dizer: com o envelope imaculado e sem odores estranhos.
É que eu fiquei com um osso entalado na garganta depois que li o seu artigo O POMBO CHEIO.
Então, o senhor frequentava aquele sórdido local de sacrifícios animais? E o que é pior: comia-os? Tomara que não.
Pombos e pombas, meu senhor, são considerados símbolos da paz e da harmonia. Numa tradição que, supostamente, tem as suas origens na história bíblica da Arca de Noé. Segundo o Antigo Testamento, depois do Dilúvio, Noé soltou uma pomba que regressou com um ramo de oliveira no bico, que mostrava que a água estava regredindo e que tinham sido feitas as pazes com Deus. Na iconografia cristã, são também uma metáfora do Espírito Santo, que apareceu sob a forma de pomba no batismo de Jesus Cristo.
Dizem os detratores dos columbídeos que laxativo de pombo é ver carro lavado. Mas, pombas, só estes seres levam a culpa por aquilo que todas as aves fazem.
Não temos a sofisticação da língua inglesa que dispõe de dois termos para designar os pombos: "pigeon" quando o pombo está vivo e "pigeoff", se ele está morto.
Mas temos o soneto "As Pombas", de Raimundo Correios Correia, para cantar os seus feitos positivos: "Aos pombais as pombas voltam, (enquanto os sonhos do azul da adolescência) aos corações não voltam mais".
E tenho que eu vou voltar.
Cordialmente seu
Dr. Carta Pácio
Vou responder ao Dr. Carta Pácio através deste blogue:
A pomba gira e a Lusitana roda.
N.B. Se você tem menos de trinta anos talvez não entenda essa frase, que veio da publicidade. Lusitana foi uma empresa de transportes. E a pomba gira é a parte substituindo o todo – o mundo (que também gira). A frase original se tornou popular com o significado de que “o mundo dá voltas”, “a vida segue”, “os tempos mudam”. Um daqueles lances da publicidade que ficaram grudados e incorporados na cultura brasileira.
Original: EM, 09/05/2014

sábado, 30 de setembro de 2017

PIAR TAMBÉM É PIADA

Piando macuco
Rubem Braga gostava de contar esta historieta do tempo em que passarinhava.
Certa feita, depois de haver piado macuco uma boa meia hora, a danada da ave lhe apareceu. Mas, ao tentar levar a arma à cara, teve um grande dissabor. Ouvir isto do macuco: "Não atire não, moço, eu só vim ver quem é que estava piando macuco tão mal."
Tarde piaste!
Duas explicações anedóticas são apresentadas como provável origem dessa locução. Uma se refere ao milhafre, ave que não costuma apanhar presas vivas, mas, por exceção, às vezes pega uns pintainhos e os devora. Embora piem de nada adianta, porque tarde piaram... A outra versão é a de um galego, que indo comer ovos crus, ao engolir um que não estava fresco, já na garganta lhe piou um pinto, ao que teria observado: "Tarde piaste!" (Raimundo Magalhães Jr.)
Portanto, "tarde piaste!" é uma resposta que se dá a um protesto quando a situação se tornou irreversível. Quem pia tarde perde o prazo e deixa de impugnar um ato em tempo hábil.
Original: EM, 21/10/2011
O pássaro que perdeu o amigo
Um pássaro descrevia com entusiasmo um milharal que existia nas redondezas. Convidando outro para que ambos fossem lá para um amplo, geral e irrestrito banquete.
Mas o outro se mostrou temeroso:
- Costuma haver caçadores naquele milharal.
- Ora, dividiremos o risco.
- Qual! Você é pequenino e eu sou grande...
Ficava entendido que o pássaro de porte avantajado, no caso de ambos serem vistos por um caçador, seria o alvo preferencial. E o pequenino, assim, é que teria maior chance de escapar.
E isso não era tudo. O pássaro graúdo lembrou um detalhe que tornava a aventura arriscadíssima:
- Você pia sem parar. Vai certamente chamar a atenção para nós.
- Fico em silêncio. No milharal eu só vou abrir o bico para comer grão.
- Bem, sendo assim...
E voaram os dois para a desejada lambança. Só que o pequenino, mal se viu entre as espigas, esqueceu-se do trato. E pôs-se a piar incessantemente, o que atraiu para o local uns caçadores.
Bastou um tiro para acertar... logo quem? O passarão, como era previsível.
Quanto ao pequenino, este voou para longe sem maiores dificuldades. E sem uma ponta de arrependimento, acrescente-se também. Tanto que ele, ao escapar, ainda comentou:
- Perco o amigo mas não perco o piado.
Original: EM, 25/11/2011
Di meliora piis
Nero, quando caçava na campanha romana, levava alguns palacianos para ajudá-lo a piar macuco. O déspota era impenitente e estava sempre a dizer-lhes: "deem melhores pios". Daí a frase ter ficado como exemplo de uma insistência implicante.
Di meliora piis, locução latina que significa "melhores dias [concedam os deuses] aos homens piedosos". Emprega-se para exprimir votos favoráveis.
Fonte: Virgílio, Geórgicas, III, 513
(Aqui transcrita para desfazer o mal-entendido que a frase de Nero possa ter trazido para a locução acima.)
Original: EM, 30/06/2017

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

VOU VARRENDO

1
A vassoura nova varre melhor, mas a vassoura velha...


... é que sabe onde a poeira se esconde.
Original: EM, 28/09/2012
2
Em meu vassoureiro / há uma vassoura velha / que varre meio de esguelha / e há uma vassoura nova / que varre a toda prova: / sem elas eu não teria / os meus coelhos de poeira.
Algumas crendices com a vassoura:
  • Pôr uma vassoura com o cabo para baixo, detrás da porta, faz a visita demorada e monótona lembrar-se de ir embora.
  • Nas mudanças de residência, a primeira varredura deve ser feita com uma vassoura velha, segundo uns, para continuar o equilíbrio anterior, ou com uma vassoura nova para iniciar vida nova, segundo outros.
  • Já inútil, a vassoura deve ser queimada, e não lançada ao lixo, para não roubar a felicidade da casa.
  • A vassoura deve ser guardada na posição vertical. Encontrando-a deitada, depressa recolocam-na direita, sob pena de prejudicar o dono da casa.
  • Não se varre a casa durante a noite para não expulsar a tranquilidade ou incomodar as "santas almas" que porventura estejam percorrendo os lugares onde estiveram quando tinham forma corpórea.
  • A ideia de que a vassoura pode varrer tudo, inclusive as cousas abstratas - felicidade, tranquilidade, bem-estar, saúde, boa sorte - abrange também o amor.
  • Rapaz ou moça cujos pés foram varridos não conseguirão se casar.
Português na Rede: A TODA PROVA ou À TODA PROVA
O certo é "a toda prova", sem crase. Simplesmente porque "toda" rejeita a anteposição de artigo - não dizemos "a toda mulher é charmosa", mas "toda mulher é charmosa". E, sem artigo, não há crase, pois a crase é a fusão da preposição "a" com o artigo "a".
Original: EM, 28/06/2017

domingo, 30 de julho de 2017

# ZERO

O caçula dos números
Na antiguidade, o zero já era utilizado para fazer cálculos quando, de fato, ainda não tinha sido inventado. Era, por exemplo, levado em consideração nas pedrinhas dos ábacos que permaneciam abaixadas.
Quem inventou o símbolo para o zero foram os indianos, que tinham um sistema numérico baseado no número 10. Nesse sistema, criado por volta de 200 a.C. , a inclusão do zero só aconteceu há aproximadamente 1.300 anos. E, por terem sido os árabes que levaram o sistema numérico da Índia para a Europa, aí por volta do século 10 d.C., é que os algarismos que usamos são chamados de indo-arábicos.
"O zero foi, portanto, o último algarismo a aparecer no prodigioso edifício da numeração." Malba Tahan
Original: EM, 28/03/2011
O zero à esquerda
Parafraseando Ruy:
De tanto ver triunfarem as nulidades...

botei um ZERO à esquerda.


Original: EM, 16/06/2007
Contudo, o zero à esquerda é necessário, na notação das frações decimais entre -1 e 1, para transmitir a magnitude de um número. Agora, se for à esquerda de um número inteiro deve ser deixado em branco ou omitido.
Há exceções:
- no famoso número identificador de James Bond (007), que tem dois zeros à esquerda;
- na roleta, onde "00" é diferente de "0" (uma aposta em "0" não ganhará se a bola cair em "00" e vice-versa);
- nos mostradores dos dispositivos com números fixos de dígitos. Como, por exemplo, no odômetro do seu carro.
Original: EM 
Que é a Ilha Zero?
É uma ilha fictícia no Golfo da Guiné que foi adicionada à coleção de mapas de domínio público da Natural Earth. Está localizada precisamente no encontro da linha do Equador com o primeiro meridiano (o de Greenwich) e corresponde às coordenadas 0 ° N 0 ° E.
É definida como uma ilha de um metro quadrado e, numa escala de 1: 100.000, ela nem sequer deveria aparecer no mapa.
Sua "existência" é uma meia-piada. No entanto, a ilha é útil para detetar erros no desenho de mapas e na programação de sistemas que fazem uso das coordenadas terrestres.
Ela está no Twitter como @NullIsland e no YouTube como https://youtu.be/nimtoVLusXc.
Original: EM, 02/01/2017
Ode ao número zero
Minha versão para o poema matemático Oda al número 0, do poeta granadino Enrique Morón.
~ Redonda negação, pois nada existe
encerrado em teu círculo profundo
e rodas derrotado pelo mundo
com a sorte que a ele não pediste.
~ Como uma lua cheia é tua figura
gravada em papel com tinta e sono
Dono de ti, mas negas ser o dono
da completa extensão da brancura.
~ Teu coração imóvel e vazio
perdeu o sangue que inexistia.
É inútil colher onde não havia
mais do que um corpo no corpo frio.
~ Redonda negação, redonda essência
que não pôde ser nem o pretendeu.
Unicamente nada é o sonho teu
pois o não ser é ser em tua existência.
Original: EM, 03/06/2017

sexta-feira, 30 de junho de 2017

O EFEITO BORBOLETA

Você pode correr atrás de uma borboleta em todo o campo e nunca pegá-la. Mas, se você se sentar calmamente na relva, ela virá sentar-se em seu ombro. Mário Quintana
Eu estarei flutuando como uma borboleta e picando como uma abelha. Muhammad Ali
A borboleta não conta meses, mas momentos. E tem tempo suficiente. Rabindranath Tagore
As borboletas são flores com autopropulsão. RH Heinlein
Não há nada em uma lagarta que lhe diga que vai ser uma borboleta. Richard Buckminster Fuller
Nós somos como as borboletas: vibramos por um dia e achamos que é para sempre. Carl Sagan
Estamos mais próximos das formigas do que das borboletas. Muito poucos podem resistir a tanto lazer. Gerald Brenan
Eu não sei se eu era um homem sonhando que era uma borboleta ou se eu sou agora uma borboleta sonhando que sou um homem. Chuang-Tzu
Assim como a borboleta eu também vou despertar em meu próprio tempo. Deborah Chaskin
A vibração das asas de uma borboleta pode efetuar mudanças climáticas no outro lado do planeta. Paul Erlich
Borboleteando
"Como posso me tornar uma borboleta?", perguntou ela. 
"Você deve querer voar tanto que esteja disposto a desistir de ser uma lagarta."
Não se pode ter um pensamento sobre borboleta que não apareça imediatamente outro. E outro e outro e outro... sendo tudo pensamento a respeito de borboletas. Até que, algumas borboletas após (com suas passagens por lagartas, certamente), acontece uma incrível mudança climática no outro lado do planeta.
Isso é o efeito borboleta explicado. 
Original: EM, 03/07/2010
Em 1979, o professor de meteorologia Edward Lorenz, do MIT, apresentou um trabalho na 139ª Reunião Anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, com o título de "Predictability: Does the flap of a butterfly's wings in Brazil set off a tornado in Texas?" (Previsibilidade: Será que o bater das asas de uma borboleta no Brasil desencadeia um tornado no Texas?)
A ideia de que uma borboleta pode ter o efeito de uma onda de longo alcance em eventos subsequentes parece haver estreado em 1952, em um conto de Ray Bradbury sobre as viagens no tempo.
Original: EM, 16/05/2017

terça-feira, 30 de maio de 2017

O MUNDO ASSOMBRADO PELAS SOMBRAS

No mundo das sombras
Se você estiver de pé e bem ereto não se importe com a postura de sua sombra. Sombra, às vezes, faz feio quando bebe. ~ Paulo Gurgel
A seguir, alguns flagrantes comprovadores de que as sombras agem por conta própria.

Agem assim... sem sombra de dúvida, minha gente.
Original: EM, 28/02/2008
Quanto pesam as sombras?
O assunto desta nota é um dos mais interessantes: origina-se do trabalho de Vsauce que, entre outras coisas, descreveu a relação das forças exercidas pela luz em objetos do cotidiano.
Os fótons que formam a luz têm um pouco de energia e, ao colidirem com outras partículas subatômicas, podem exercer uma pressão muito leve em objetos de qualquer tamanho.
Mas... reúna milhões e milhões de fótons em uma escala macroscópica que coisas diferentes vão acontecer.
Esta é a razão por que as caudas dos cometas apontam para longe do Sol. E por que uma sonda enviada para Marte sofre um desvio de até 100 km, dependendo da extensão do percurso em que a sonda é afetada pela luz do sol.
Se algo interrompe a luz, uma sombra é formada, como sabemos. E o objeto passa a pesar menos do que se estivesse sob a luz.
Em outras palavras: nós somos - infinitesimalmente - mais pesados quando estamos sob a luz.
Apesar de ser muito pequena, essa força da luz pode ser medida. Estima-se que uma cidade como Chicago, em dia de sol, pese mais de 140 quilos do que em um dia nublado.
Original: EM, 22/08/2013
A sombra de sempre
Esta foto foi tirada em uma cidade ensolarada da Espanha:
Serve para comprovar que... não há nada de novo sobre a sombra.
Como veem:
Ela continua sendo a mesma sombra de sempre, desconhecendo a intenção dos homens.
Original: EM, 06/05/2015
Tua sombra
É a confirmação de que a luz foi capaz de viajar uns 150 milhões de quilômetros, não se chocando absolutamente com nada, apenas para não tocar no solo do nosso planeta - por uma questão de poucos centímetros!
(para pensar sobre as maravilhas do Universo)
Original: EM, 29/04/2017

domingo, 30 de abril de 2017

A CONSTITUIÇÃO DO BRASIL, A HIERARQUIA DAS LEIS E A DELAÇÃO PREMIADA CAUTELAR

A Constituição do Brasil no Twitter
O Brasil já teve várias Constituições, em geral muito prolixas. A exceção foi a Constituição promulgada pelo cearense Capistrano de Abreu. Atualíssima, cabe integralmente nos 140 caracteres do Twitter.


E ainda sobra espaço para um inciso de 45 caracteres.
Original: EM, 20/09/2011

A hierarquia das Leis
1 Acho que vou discordar do que dizem os juristas do país. Muitos anos de vida prática me dão uma sólida convicção de que a hierarquia das leis no Brasil é na verdade assim:
  1. Regimento Interno do Condomínio
  2. Constituição Federal
  3. Leis Complementares
  4. Etc. e Tal
2 O trânsito das cidades e os condomínios tornam as pessoas más.
Paulo Gurgel
Original: EM, 23/04/2013

A Delação Premiada Cautelar
Recorrendo ao site Zé Moleza, que muita gente boa de índole má do Poder Justiceiro acessa para copiar passagens interessantes para suas monografias, dissertações e teses, nada encontrei sobre o instituto da Delação Premiada Cautelar.
De forma que eu resolvi acabar com esse vazio legal. Assim como fiz ao outorgar a Hierarquia das Leis no Brasil e ao prefaciar sob a proteção de Deus a Constituição do Brasil no Twitter.
Isto posto, começo por definir o que vem a ser a tal Delação Premiada Cautelar:
É quando o indiciado sem cometimento de crime algum antecipa-se à denúncia do procurador e, para não pegar uma pena de prisão perpétua, delata de ouvir dizer e sem necessidade de apresentar as provas exclusivamente o que o juiz quer ouvir.
Original: EM, 09/04/2017