quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

DIÁLOGO DE MALUQUETES Nº. 2

ELE - Tchau.
ELA - Tchau.
ELE - Bem que tentamos.
ELA - É. Tentamos.
ELE - Mas, com esta escassez de padrinhos que atravessamos...
ELA - É... que ninguém sabe quando vai acabar.
ELE - Não íamos conseguir...
ELA - É. Não íamos conseguir mesmo.
ELE - Montar balcão de noivos ficou difícil.
ELA - Super difícil.
ELE - O casamento é hoje uma instituição agonizante.
ELA - Por isso...
ELE - Só as praças que fizemos: João Pessoa...
ELA - João Pessoa... Aquela senhora, lembra?
ELE - Ih! Aquela senhora que cheirava a patchuli...
ELA - A tal. Ela quase topou ser madrinha.
ELE - Quase. Pois você... hein?...
ELA - Que que houve?
ELE - Houve que a convidamos. Aí, sem mais aquela, você pediu da senhora patchuli um faqueiro de 96 peças. Que facada!
ELA - Padrinhos dão bons presentes.
ELE - Devagar com o talher. Ela não estava sendo convidada para ser fada-madrinha. Para madrinha, apenas.
ELA - Em Salvador, foi sua vez.
ELE - Minha vez? Minha vez, como?
ELA - O amigo que arranjou no "Solar do Unhão".
ELE - Padrinho por vocação. Fez o teste e saiu-se muito bem.
ELA - Muito bem, num teste vocacional "micha" que só... Houvesse ao menos reparado no coração dele.
ELE - Era safenado?
ELA - Era safado o homenzinho. E tinha um coração maos duro do que um ovo de piquenique.
ELE - Ah, diz sem fundamento.
ELA - Digo com. Nas noites de lua cheia, ele fazia sacrifícios humanos. Que acha de alguém assim?
ELE - Esqueça. Tínhamos o Rio de Janeiro pela frente.
ELA - Rio... Aquele par animadíssimo que conhecemos no... no...
ELE - No "Trocadero".
ELA - Pelas tantas, com eles já apalavrados para padrinhos, você foi, desconversou. Taí, fiquei sem entender.
ELE - Eram aficionados pelas culturas grega e francesa.
ELA - E daí?
ELE - Quase nos estrepamos.
ELA - Verdade? Estou sem maldar.
ELE - Cultura grega... cultura francesa... Era tudo gíria de swing, percebe agora?
ELA - Ah, sim. E o casal que conhecemos em Sampa?
ELE - Livro a mulher, mas o homem era um pernóstico.
ELA - Tivemos uma noite agradável no "Terraço Itália".
ELE - Tivemos, isso sim, de suportar aquele monografista. Foi Guerra do Ópio a noite toda... até nos dar sono.
ELA - Cultura também é cultura.
ELE - E as retificações dele?! Na hora do tin-tin...
ELA - Aliás, chin-chin.
ELE - Porque chin em chinês significava felicidade. O pedante...
ELA - Ainda acho que a sua antipatia por ele foi gratuita.
ELE - Gratuita? Eu paguei sozinho as despesas no piano-bar.
ELA - E se depois houvéssemos esticado a Floriano Lopes?
ELE - A Floriano Lopes, Santa Catarina, em busca dos espécimes?... Qual! A crise de padrinhos é nacional.
ELA - Então, com os proclamos já vencidos...
ELE - Desmarcamos o casamento.
ELA - E agora, José?
ELE - Agora é enfrentarmos o falatório...
ELA - O diz-que-diz...
ELE - Com uma só versão, concorda?
ELA - Em princípio.
ELE - Você é alérgico a cravo de lapela, eu, a flor de laranjareira. E, por isso, não nos casamos.
ELA - Boa.
ELE - Descobrimos tais idiossincrasias na lua-de-mel.
ELA - Peraí. Não vou admitir que houve lua-de-mel.
ELE - Mas é somente para o público interno.
ELA - Não.
ELE - E para meu ego, pelo menos?
ELA - Bem... Assim foi se assim lhe pareceu.

Nenhum comentário: